13% dos executivos são pressionados para fraudar resultados

O dado foi apontado por pesquisa do IIA Global, que entrevistou gente de 111 paises
D
Da RedaçãoPublicado em 15/07/2013 às 18:16.

São Paulo - Uma pesquisa feita pelo Instituto dos Auditores Internos (IIA Global) com 1.700 profissionais da área em 111 ­países, entre eles Brasil, Estados ­Unidos e Canadá, mostra que 13% dos ­executivos chefes de auditoria sofreram pressão para alterar indevidamente os resultados de seus trabalhos.

Em 21% dos casos, o autor do ­assédio foi o diretor financeiro. O motivo? Não deixar que informações sobre falhas e fraudes cheguem ao topo da empresa.