Aumento, home office: como negociar em tempos de coronavírus

Em tempos de crise, como pedir para o chefe deixar que você trabalhe de casa ou pegue uma folga sem gerar um mal-estar?

A pandemia de coronavírus levou muitas empresas a alterar as formas de trabalho e trocar o escritório e o ambiente corporativo pelo home office. No entanto, nem todas entraram na onda.

Em tempos de crise, como pedir para o chefe deixar que você trabalhe de casa ou pegue uma folga sem gerar um mal-estar?

“Eu acho que a primeira questão, e que é muito importante, é ter um diálogo sincero com o gestor”, indica Breno Paquelet, especialista em negociações estratégicas pela Harvard Business School. Para ele, é importante ter empatia e entender que, da mesma forma que você tem as suas requisições e tarefas, o gestor também.

Para pedir para trabalhar de casa, caso a empresa não tenha uma política específica de home office, a dica é ir com calma. “Demonstre como você poderia atender aos interesses da sua empresa, mesmo trabalhando remotamente. Uma possibilidade é tentar fazer testes de curta duração, tente pedir um dia de home office, e vá aumentando o período”, explica Paquelet.

Se a sua ideia é pedir um aumento ou negociar uma promoção, o momento não se mostra muito positivo. “Vários acordos e contratos estão sendo renegociados, então todo mundo está entendendo que vai ter que se sacrificar para a continuidade das coisas. O funcionário precisa demonstrar que entende a situação”, diz.

Independentemente da negociação, chegar com muita sede ao pote também não é uma boa. “A situação está dificil para todo mundo e se você afrontar o seu gestor na hora de conversar, isso pode causar uma reação negativa nele. Como os gestores vão ter que fazer algumas escolhas sobre demissões, se você não mostrar flexibilidade, isso pode ser um tiro no pé.”

A crise, porém, pode ser uma boa oportunidade de abraçar novos desafios e projetos. Se você mirava alguma função ou atividade, vale conversar com o líder da área. “Agora é a hora de assumir novas responsabilidades”, garante.

O guia das boas negociações à distância

Estar de home office tem mudado a forma como as pessoas trabalham ao redor do mundo. As reuniões, as conversas de corredor e até mesmo os happy hours tiveram de ser repensados com o surgimento do novo vírus.

Para discutir algo com um gestor, basta chamá-lo para uma conversa — de preferência, por vídeo. “É melhor para ver as expressões da pessoa e se retificar caso for preciso. Por mensagem, é mais complicado fazer isso”, explica.

Durante o papo, segundo Paquelet, é importante contextualizar o problema pelo qual você está passando, demonstrar que entende a situação da empresa, mas deixar claro que você também tem suas aflições. “É importante pensar em soluções para os seus problemas e sugeri-las ao gestor. A ideia é que fique uma conversa mais de ponto a ponto e não algo genérico. Sempre tente mostrar que não é uma questão de oportunismo.”

No fim das contas, o diálogo e a empatia prevalecem como pontos-chave de uma boa negociação — com ou sem crises.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.