Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Vozes: Investir em atletas é investir em uma comunidade inteira

Entenda a importância de humanizar e aproximar o atleta e os impactos positivos que isso gera para a sociedade

Por Mia Lopes*

Era uma noite de sábado, sétima edição do Boxing For You. A principal luta da noite era entre a pugilista Adriana Araújo, medalha de bronze das olimpíadas em Londres, contra a argentina Claudia Lopes.

Eu estava lá. Emocionada, animada e empolgada para fazer a cobertura para as minhas redes quando o Afro Esporte ainda era um quadro nos stories. Após a vitória de Adriana por decisão unânime tive a oportunidade de fazer uma exclusiva com a medalhista olímpica. De cara perguntei para Adriana se alguma grande marca a patrocinava e, para minha surpresa, Adriana deu risada e respondeu que estava aberta a propostas, ou seja, um singelo e bem-humorado não.

Qual motivo para uma medalhista olímpica não ter um grande patrocinador? O pior é que essa não é uma realidade vivida apenas por ela. Brasil afora, atletas constroem trajetórias incríveis sustentadas por rifas, vaquinhas, apoiadores locais e muito trabalho dobrado.

Dos 309 atletas que representaram o Brasil, 42% dos competidores não tinham nenhum patrocínio. A meritocracia está passando longe dos atletas, especialmente quando eles são negros, mulheres ou LGBTQIA+.

No Brasil, projetos sociais são a principal porta de entrada para o esporte de muitos jovens da periferia. É o caso de Rebeca Andrade, Isaquias Queiroz, Ana Marcela, Beatriz Ferreira, Abner Texeira, Hebert Conceição e Alison dos Santos, todos tiveram seu primeiro contato com o esporte através de projeto social.

A cada ano, próximo das olimpíadas, surgem os debates sobre o tão sonhado Top 10. Olhar a realidade dura em que vivem os nossos atletas e querer que o Brasil ocupe esse lugar sem investimento à altura beira a positividade tóxica. O atleta brasileiro pode montar uma fábrica de limonada.

E por que investir no esporte e no atleta?

Durante a cobertura das Olímpiadas que fiz para o Afro Esporte, acompanhei algumas histórias e pude ver de perto a beleza dos impactos positivos de uma Olimpíada mais diversa. Como no caso de Gabriela Souza, mulher e negra, ela é a primeira skatista street da Bahia e viu a sua vida dar uma sacudida muito antes do fenômeno Fadinha Rayssa. Antes ela dividia sua vida entre a carreira de arquiteta como principal fonte de renda e o skate como sua maior paixão.

Com a inclusão do skate como modalidade olímpica, a arquitetura ficou em segundo plano e Gabriela, que também é integrante da Federação Baiana de Skate respondendo pela pasta da categoria feminina, passou a responder também pela pasta de vistoria de pistas de skate de Salvador. Com isso, ela começou a participar das vistorias das pistas de skate da cidade para estabelecer os níveis de precariedade existentes entre elas, com o objetivo de propor a construção de novas pistas com qualidade. Esse é apenas um exemplo de como é importante humanizar o olhar sobre a importância do papel do atleta na sociedade.

Tóquio 2020 foi a primeira Olimpíada com presença massiva das redes sociais, o esporte furou a bolha dos atletas e ficou mais perto. Daqui para frente, vamos ver os atletas dominando novos espaços, especialmente através das redes sociais. A prova disso é a forma como o TikTok vem investindo em e-Sports e esportes, firmando parcerias para ter direitos de transmissão das competições. Assim como o Kwai, que foi a primeira rede social da história a patrocinar a Copa América de futebol.

Mas e no off-line? É preciso incluir o atleta na sociedade, nas escolas, nas universidades e em programas de TV. A presença de Daiane dos Santos, por exemplo, foi um show à parte. Ela agregou uma leveza que dialoga com esse novo momento do esporte humanizado, (menos no pain no gain) e deixou a transmissão com a cara do Brasil.

Já no mercado corporativo, as empresas podem incorporar o esportista como um aliado através de palestras, treinamentos, na comunicação ou até na cocriação de produtos. Se ainda não consegue visualizar como isso é possível, basta lembrar da arquiteta skatista. A paixão do atleta é um ingrediente potente que faz toda diferença em qualquer projeto.

O atleta nunca está só, ele movimenta e mobiliza toda uma rede de pessoas. Investir em um atleta é investir em uma comunidade. Quem viu a vitória de Hebert Conceição pode sentir que junto com ele estava o Olodum, estava a força de Madiba, estava o axé da Bahia, só não estavam as marcas que perderam a oportunidade de celebrar o ouro com toda essa potência.

O que faz uma medalhista olímpica não ter um grande patrocinador é o sutil desejo de conter a ascensão da periferia, mas com as Olimpíadas de Tóquio está dado o recado: com ou sem patrocínio ninguém vai conter o baile de favela.

*Mia Lopes é jornalista, fundadora do Afro Esporte um laboratório de conteúdo sobre atletas negros, creator e empreendedora apaixonada por esporte e vida saudável.

**Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a Exame. O texto não reflete necessariamente a opinião da Exame.

 

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedIn | Twitter | Facebook | Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também