Bússola

Um conteúdo Bússola

Real Digital: O que é o Hyperledger BESU?

Entenda como funciona a tecnologia escolhida pelo Banco Central para o teste-piloto do Real Digital

Tecnologia foi desenvolvida pela Pegasys (Priscila Zambotto/Getty Images)

Tecnologia foi desenvolvida pela Pegasys (Priscila Zambotto/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 24 de julho de 2023 às 12h00.

Por André Carneiro*

Recentemente, o Banco Central anunciou a chegada do Piloto do Real Digital e as empresas escolhidas para participar do projeto. Além do anúncio dos participantes, também foi revelado a tecnologia blockchain por trás do projeto, e a escolhida foi a HyperLedger BESU. Mas afinal o que é essa tecnologia e como ela funciona? 

Client Ethereum e uso do blockchain

A Hyperledger BESU é um client Ethereum de código aberto desenvolvido pela Pegasys, uma empresa ConsenSys. Ele foi projetado para fornecer às empresas uma plataforma fácil de usar para criar e gerenciar seus aplicativos descentralizados (dApps). Seus principais recursos incluem suporte para redes que utilizam o protocolo Ethereum públicas e privadas, recursos de governança corporativa, como gerenciamento de contrato inteligente, ferramentas de escalabilidade, ferramentas de proteção de privacidade e integração com outras redes blockchain como Quorum. 

O Hyperledger BESU trabalha em conjunto com outros componentes da rede Ethereum para criar uma plataforma segura e confiável para realizar transações online. Quando duas partes desejam realizar uma transação, elas usam o recurso de contrato inteligente do Hyperledger BESU para configurar os parâmetros do negócio. Depois que os termos são acordados por ambas as partes, a transação é transmitida pela rede e um conjunto de validadores confirmam a validade da transação.

Em redes públicas, os mineradores competem pelo direito de realizar a validação do próximo conjunto de transações. O minerador ganha o direito de inserir o próximo bloco de transações e recebe uma recompensa em Ether (ETH). Este bloco de transações é então ligado a uma cadeia de blocos de transações – daí “blockchain”. Esse registro distribuído permite que todos os usuários da rede visualizem as transações sem ter acesso a nenhuma informação confidencial sobre elas. 

Essa tecnologia fornece transações seguras e permite que os usuários criem seus próprios DApps ou personalizem os existentes usando seu kit de ferramentas de desenvolvimento. Esse recurso possibilita que os desenvolvedores criem facilmente aplicativos que podem interagir com os contratos inteligentes da Ethereum ou outros blockchains compatíveis, como Solana ou Polygon. 

Mas e para as empresas, como vai funcionar essa tecnologia?

As empresas podem utilizar o Hyperledger BESU para criar dApps adequados para seus negócios. Os desenvolvedores podem usar as ferramentas de desenvolvimento do client para criar aplicativos personalizados ou modificar os existentes, permitindo que alcancem mais pessoas em mais blocos de operação. Além disso, o Hyperledger BESU também se integra facilmente a outras redes Blockchain que utilizam o protocolo Ethereum, permitindo que os usuários interajam e transacionem entre esses Blockchains.

Por fim, o Hyperledger BESU também atende a empresas que buscam novas formas de criar soluções digitais do zero. Seu conjunto robusto de recursos permite que empresas de todos os tamanhos criem e gerenciem com segurança aplicativos descentralizados de forma rápida e eficiente. 

*André Carneiro é CEO da BBChain

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Patrice Caine: O debate acalorado em torno da biometria

A inteligência artificial vai substituir os desenvolvedores?

Uso de inteligência artificial no branding: tecnologia + criatividade

Acompanhe tudo sobre:Drex (Real Digital)Banco CentralBlockchain

Mais de Bússola

Saiba em quais cidades é melhor contar com um carro alugado

Bússola Cultural: oficina para crianças ensina a fazer brigadeiros de café

Vinicius Hilkner: a IA Generativa é o integrante essencial que faltava no seu time? 

Melhor empreender no campo ou na cidade? Conheça jovens da Bahia que escolheram a primeira opção

Mais na Exame