Um conteúdo Bússola

Marca de vinho bag in box chega ao Brasil para oferecer rótulos premium

A Lekubi tem no portfólio nove vinhos portugueses produzidos por importantes vinícolas
O portfólio, selecionado pelo enólogo português Luís Patrão, se diferencia pela qualidade da maioria dos bag in box encontrados no Brasil. (Klaus Vedfelt/Getty Images)
O portfólio, selecionado pelo enólogo português Luís Patrão, se diferencia pela qualidade da maioria dos bag in box encontrados no Brasil. (Klaus Vedfelt/Getty Images)
Por BússolaPublicado em 20/05/2022 16:20 | Última atualização em 20/05/2022 16:04Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Lekubi é o mais novo vinho em embalagem bag in box a chegar ao mercado nacional. A proposta dos sócios Ricardo Braga e Deosdete Ribeiro Júnior, ambos brasileiros morando em Portugal, é romper paradigmas de um segmento ainda percebido como inferior ao de vinho de garrafa.

O portfólio, selecionado pelo enólogo português Luís Patrão, se diferencia pela qualidade da maioria dos bag in box encontrados no Brasil. Exemplo disso é o Monte da Ravasqueira Reserva, tinto premium de uma linha com nove rótulos e preço ao consumidor entre R$ 199 e R$ 499. As embalagens são de três litros, o que corresponde às quatro garrafas de 750 ml.

“No momento, o que todos nós que atuamos no mercado de vinhos no Brasil precisamos fazer é trabalhar junto para aumentar o consumo per capto de vinho, que ainda é extremamente baixo”, diz Ricardo Braga, que fala à Bússola sobre a empresa e os desafios do segmento bag in box no Brasil na entrevista a seguir.

Bússola: Por que a escolha de entrar no mercado de vinhos bag in box?

Ricardo Braga: Eu e meu sócio sempre tivemos uma paixão enorme por vinhos, mas como nunca tínhamos atuado no ramo, só fazia sentido entrar nesse business se encontrássemos um modelo para agregar valor. Depois de estudar o mercado, percebemos que o bag in box era um produto com enormes vantagens, porém, mal trabalhado. O formato bag in box ainda é percebido como vinho barato e de má qualidade. E entendemos que ao conseguir agregar qualidade e inovação ao formato, teríamos um bom negócio pela frente. A participação do bag in box no mercado brasileiro é quase nula, menos de 1%. Ou seja, um segmento com um enorme potencial de crescimento.

Bússola: E como vocês estão se posicionando neste mercado?

Ricardo Braga: A Lekubi não é apenas uma marca de vinho, nós somos uma plataforma, a primeira plataforma de vinhos de qualidade em embalagem bag in box lançada no Brasil. Todos os nossos vinhos são produzidos por importantes vinícolas e assinados pelos mais respeitados enólogos. A nossa curadoria foi feita pelo Luis Patrão, um dos mais renomados enólogos portugueses da nova geração, que atua na Herdade de Coelheiros e na Vadio. Somos a única marca de bag in box do mercado brasileiro com nove vinhos no portfólio. Inicialmente, são vinhos portugueses, mas, em breve, vamos ampliar o portfólio com vinhos da Itália, França, Espanha, América do Sul e, quem sabe, do Brasil.

Bússola: Vocês já têm um vinho com reconhecimento internacional, certo?

Ricardo Braga: Sim, nós fomos eleitos como um dos melhores bag in box do mundo pelo “Concours International Wine In Box 2021”, a mais importante premiação de bag in box mundial, que acontece em Toulouse, na França. Durante dois dias, um júri formado por sommeliers, enólogos e críticos participou de uma prova cega para escolher os melhores do mundo. Este ano, o nosso vinho Lekubi Monte da Ravasqueira Reserva de Família ganhou medalha de ouro. Nenhum outro bag in box do mercado brasileiro tem este reconhecimento internacional.

Bússola: Qual é o maior desafio que vocês já identificaram nesses três meses de operação?

Ricardo Braga: No momento, o que todos nós que atuamos no mercado de vinhos no Brasil precisamos fazer é trabalhar junto para aumentar o consumo per capto de vinho, que ainda é extremamente baixo. Se o segmento de vinho se unir e o consumidor brasileiro passar a tomar mais vinho nos restaurantes, em casa e nos bares, o bolo certamente vai aumentar. E se essa base cresce, todo mundo sai ganhando: ganham os produtores nacionais, o mercado de vinho importado, o segmento de bag in box. Ganha todo mundo.

Bússola: Como você enxerga o mercado de bag in box na Europa, onde você mora atualmente?

Ricardo Braga: Aqui na Europa a indústria do bag in box vem evoluindo muito. Já existem, inclusive, marcas de bag in box envasando Bordeaux Grand Cru. Em Londres, por exemplo, tem um restaurante de estrela Michelin com bag in box na carta de vinhos. Nos países nórdicos, como Suécia, Dinamarca e Noruega, o market share da categoria em relação aos vinhos de garrafa chega a ser superior a 60%.

Bússola: Quem é o público da Lekubi?

Ricardo Braga: O consumidor final, restaurantes, bares, hotéis e eventos. Para o consumidor final, oferecemos a liberdade de tomar o seu vinho na hora que quiser. E aos poucos,  um pouquinho hoje, um pouquinho amanhã, sem o risco do vinho estragar rapidamente. Para o outro público, queremos ajudar na popularização do vinho em taça no Brasil.

Hoje, nos restaurantes e bares, praticamente não existe a venda de vinhos de qualidade em taça. Isso acontece porque o dono do estabelecimento tem receio de abrir uma boa garrafa de vinho, não vender, e em dois dias perder o produto. Com Lekubi isso não acontece. O restaurante poderá oferecer a seus clientes vinhos de qualidade, com uma excelente rentabilidade e sem o risco de perder o produto.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também