A página inicial está de cara nova Experimentar close button

CPI da Pandemia entra nas últimas semanas como um caleidoscópio sem foco

Muitas informações vindas de muitas fontes de dados geram uma confusão que nem sempre é útil na política

Por Marcio de Freitas*

Muitas luzes coloridas, mas nenhuma imagem nítida ao fim. A Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia entra nas últimas semanas antes do recesso, e da sua provável prorrogação, abrindo a pauta para muitas informações de muitas fontes de dados. A dúvida é saber se as imagens se juntarão depois num todo nítido. Em política, confusão demais nem sempre é útil.

No dia da divulgação de áudio de uma contraparente do presidente Jair Bolsonaro no caso das “rachadinhas”, houve até sugestão de que a cunhada fosse convocada. Não foi adiante porque era uma virose distinta da covid-19, objeto da CPI.

Há também a busca por compartilhar dados da CPI da Fake News, onde se busca saber a origem das mentiras que circulam nas redes sociais sobre o vírus e a forma de combater corretamente seus sintomas. Há suspeitas que recursos públicos da área de comunicação de governo foram usados para financiar sites bolsonaristas e disseminar informações equivocadas.

Um detalhe, entretanto, foi esquecido. Recursos públicos em campanhas publicitárias têm de estar disponíveis em sites e prestações de contas para fiscalização dos órgãos competentes. Como há plataformas como Google, Facebook e Twitter, imagina-se que poderia haver como escamotear. Mas mesmo nessas plataformas, é possível rastrear os investimentos do governo federal.

E num exemplo é possível fazer o recorte proposto com base em 34 site citados pelo senador Randolfe Rodrigues  (Rede-AP) e encontrar dados interessantes: de um total de R$ 2,8 milhões investidos em URLs nas campanhas, somente R$ 41 mil foram para as chamadas URLs alinhadas ao governo. Em algumas campanhas, mesmo canais de opositores receberam mais que os bolsonaristas.

*Márcio de Freitas é analista político da FSB Comunicação

Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a Exame. O texto não reflete necessariamente a opinião da Exame.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também