Bússola
Um conteúdo Bússola

ABIR: 5 motivos para não incluir bebidas adoçadas no imposto seletivo da Reforma Tributária

Artigo da Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas aponta quais são, na sua visão, as causas da obesidade no Brasil 

Para a ABIR, há cinco motivos pelos quais as bebidas adoçadas não devem ser alvo de imposto seletivo (Sirapat/Getty Images)

Para a ABIR, há cinco motivos pelos quais as bebidas adoçadas não devem ser alvo de imposto seletivo (Sirapat/Getty Images)

Bússola
Bússola

Plataforma de conteúdo

Publicado em 29 de abril de 2024 às 07h00.

Última atualização em 30 de abril de 2024 às 11h47.

Tudo sobreRefrigerantes
Saiba mais

Artigo escrito pela ABIR, Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas*

O Projeto de Lei Complementar para a regulamentação da Reforma Tributária, elaborado pelo Poder Executivo e entregue no dia 24 de abril ao Congresso Nacional, incluiu as bebidas açucaradas entre os produtos passíveis de imposto seletivo, sob o argumento de que seu consumo prejudica a saúde e aumenta as chances de obesidade e diabetes.

Para a indústria de bebidas não alcoólicas, representada pela Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (ABIR), a proposta de um imposto seletivo sobre bebidas açucaradas é motivo de preocupação. 

Acreditamos que, se o objetivo do Governo é abordar efetivamente o problema da obesidade, não deveria se concentrar em penalizar um único ingrediente de um produto que é consumido por brasileiros de todas as classes sociais. Essa medida vai na contramão das tendências de tributação internacional. É essencial que qualquer esforço para combater a obesidade considere um espectro mais amplo de intervenções, incluindo educação nutricional, incentivos para estilos de vida saudáveis e políticas públicas abrangentes que abordem as múltiplas causas do problema”, defende o presidente da ABIR, Victor Bicca.

Segundo o pesquisador da Escola de Economia de São Paulo (FGV EESP), Márcio Holland, que coordenou um estudo inédito sobre a obesidade, são muitos os fatores associados à prevalência da obesidade no Brasil, como a idade, as condições socioeconômicas e a falta de atividade física. 

Nesta pesquisa, analisamos a efetividade de tributar bebidas adoçadas e fomos em busca de entender o consumo delas por parte das famílias brasileiras. Percebemos a irrelevância deste tipo de tributação para diminuir a obesidade. Investir em conscientização através de rótulos e contar com o apoio da mídia para informar sobre o assunto são exemplos de ações relevantes desde que sejam tratadas de forma integrada, e não isolada”, explica Holland.

Para a ABIR, há cinco motivos pelos quais as bebidas adoçadas não devem ser alvo de imposto seletivo:

1. Medida vai na contramão das tendências de tributação internacional

Tentar combater a obesidade por meio do aumento de impostos de bebidas açucaradas não é uma novidade. Há 10 anos o México tentou, mas não conseguiu alterar os hábitos de consumo da população. O que aconteceu foi que a medida criou uma inflação artificial e um problema social, que impactou as classes mais pobres e também as empresas, gerando desemprego e insegurança.

2. Obesidade x consumo de bebidas adoçadas

De acordo com estatísticas do Ministério da Saúde, a frequência do consumo de bebidas açucaradas registrou uma queda de 51,8%, enquanto a taxa de obesidade teve um aumento significativo de mais de 105% nos últimos 17 anos. Já a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) indicou ainda que somente 1,7% das calorias consumidas pelos brasileiros tem como fonte as bebidas açucaradas

3. Educação Nutricional e Políticas Públicas

Entre as políticas públicas para o combate à obesidade no mundo, segundo o estudo da FGV, destaca-se a rotulagem de produtos. De acordo com Holland, esse tipo de medida se escora nos vieses de educação e conscientização sobre modos de consumir, como forma de tentar reduzir a obesidade. A nova norma de rotulagem nutricional estipulada pela Anvisa já foi implementada por toda a indústria de não alcoólicos.

4. Redução de açúcar em acordo voluntário

De acordo com o último relatório da Anvisa no âmbito do acordo voluntário com o Ministério da Saúde, a indústria de não alcoólicos reduziu o açúcar na totalidade dos seus produtos. 

O documento destacou que a média do teor de açúcar encontrada nos refrigerantes foi 6,62 g/100ml, o que representa um valor 37,55% menor do que a meta pactuada (10,6 g/100 ml).

5. Inovação e investimentos em produtos de baixa caloria

Hoje, o setor de refrigerantes tem feito investimentos para a oferta de um portfólio cada vez mais inovador e amplo, incluindo versões com baixa ou nenhuma caloria e embalagens em tamanhos diferenciados para os mais diversos momentos de consumo.” 

*A ABIR, Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas, produz dados estatísticos, técnicos, econômicos e educacionais para garantir a prosperidade do setor e dos associados dela.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Acompanhe tudo sobre:RefrigerantesReforma tributária

Mais de Bússola

Bússola Cultural: Festival de Inverno de Campos do Jordão chega à sua 54ª edição

A importância do licenciamento de músicas para uso em redes sociais

Brasileiros apresentam a MIT e Harvard primeira tecnologia de treinamento de cirurgiões no metaverso 

SP terá semana dos shoppings centers no Expo Center Norte 

Mais na Exame