ESG

Grupo Boticário divulga resultados ESG e atualiza compromissos

Grupo Boticário aponta os caminhos possíveis para os próximos anos a partir de sete frentes: mudanças climáticas, resíduos, água, biodiversidade, diversidade e inclusão, desenvolvimento social e fornecimento sustentável; veja resultados

Fábrica do Grupo Boticário no Paraná: companhia altera produtos e embalagens em busca de sustentabilidade (Leandro Fonseca/Exame)

Fábrica do Grupo Boticário no Paraná: companhia altera produtos e embalagens em busca de sustentabilidade (Leandro Fonseca/Exame)

Marina Filippe
Marina Filippe

Repórter de ESG

Publicado em 17 de maio de 2024 às 09h14.

Última atualização em 17 de maio de 2024 às 09h21.

O Grupo Boticário apresenta, pela primeira vez, a evolução dos chamados Compromissos Para o Futuro, indicadores ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança) lançados em 2021. A novidade acompanha o relatório ESG da companhia e aponta os caminhos possíveis para os próximos anos a partir de sete frentes: mudanças climáticas, resíduos, água, biodiversidade, diversidade e inclusão, desenvolvimento social e fornecimento sustentável.

"O compromisso de longo prazo permite que tomemos decisões difíceis de forma mais fácil. Apesar de sermos uma empresa de capital fechado, estamos atentos aos propósitos para as melhores experiências dos clientes, em um mundo melhor e mais justo", disse Fernando Modé, CEO do Grupo Boticário, em evento em São Paulo, nesta quinta-feira, 16.

De acordo com o executivo, a intenção da empresa é atualizar as metas a cada três anos, garantindo que a estratégia ESG esteja alinhada aos desafios globais do tema e ao dinamismo e crescimento do Grupo. "Em ano de resultado histórico de R$ 30,8 bilhões em vendas e crescimento de 30,5%, focamos em transparência, governança e inovação".

O Grupo Boticário tem cerca de 40 pessoas dedicadas ao ESG, além de um Comitê presidido por membro independente. "A atualização é resultado de um processo que foi desenvolvido de forma democrática e multidisciplinar, com o envolvimento de especialistas e mais de 60 representantes  da alta liderança da empresa, e que durou mais de 9 meses", explica.

Compromissos para o Futuro

Na prática, os compromissos diminuem de 15 para 8, uma estratégia que, segundo Luis Meyer, diretor de ESG do Grupo Boticário, não deixa nenhum tema material de fora do que havia sido anunciado anteriormente, apenas simplifica a narrativa para os envolvidos.

"Percebemos que muitos ainda estão se letrando nos temas ESG. Trazer as metas deste modo facilita o entendimento e engajamento do que queremos alcançar", diz em entrevista à EXAME. "São sete temáticas, oito compromissos e 30 metas. É quase que um mantra conectado ao negócio".

Na frente de economia circular, todos os novos produtos cosméticos contam com pelo menos um atributo de sustentabilidade em formulação ou embalagens. O Grupo também incentiva a redução de resíduos de catálogos, alcançando em 2023 a redução de 12% do volume em toneladas de resíduos de papel em relação ao ano anterior.

A empresa possui hoje o maior programa em pontos de coleta de logística reversa no mercado de beleza e cosméticos no Brasil, com mais de 4.500 pontos. Em 2023, 34% do equivalente ao resíduo gerado pelas embalagens no ano foi reciclado, tendo como meta chegar a 45% em 2030. Ainda em relação aos resíduos, a meta para 2030 é utilização de 30% de material reciclado nas embalagens até 2030. Até o momento, a companhia alcançou 11%.

diversidade e inclusão é a única dimensão dividia em duas partes. "O tema estava ficando grande demais, positivamente falando. Somos uma das primeiras empresas com uma área específica sobre o tema e uma das poucas também que faz a diversidade para fora, na comunicação e nas cadeias com compras afirmativas, por exemplo. Entendemos que a divisão também fortaleceria esssa jornada de trabalho", diz.

Atualmente, o quadro geral de funcionários do Grupo Boticário tem 46% de pessoas negras e 60% de mulheres. Na comunicação a composição é de 47% de pessoas negras, 17% de LGBTI+, 26% de diversidade de corpos, especialmente gordos, 9% de pessoas mais velhas e 2,5% de pessoas com deficiência.

Outro tema abordado na apresentação é o das debêntures atreladas às metas ESG, os chamados sustainability-linked bonds. Uma das metas é de ter um portfólio de marcas próprias com produtos 100% veganos até dezembro de 2026, sendo o índice atual é de 96%. "Há uma lógica financeira, mas para o negócio é importante pelo processo de compromisso dos indicadores", diz Meyer.

Para Carolina da Costa, líder do Comitê ESG do Grupo Boticário, debêntures são chave no compromisso das empresas. "No Brasil, os sustainability-linked bonds não chegam a 2% porque as empresas alegam um imenso desafio. Ver uma empresa de capital fechado fazendo este tipo de movimento mostra o quão comprometida ela está".

Para Fabiana de Freitas, vice-presidente de Assuntos Corporativos do Grupo Boticário, os resultados têm dado certo pelo foco nas pessoas. "Programas como de empregabilidade feminina em Camaçari, na Bahia, nos permitiram capacitar 500 mulheres e absorver 150. Outro exemplo é a licença-parental universal, na qual pais tiram 120 dias de licença, obrigatoriamente. Este tipo de ação mostra a importância do ESG aos nossos funcionários e faz com que eles entendam na prática o que temos como propósito". A executiva lembrou ainda que, na premiação de boas práticas de fornecedores, ESG corresponde a 10% do peso da avaliação.

Fundação Grupo Boticário

Para Miguel Krigsner, fundador do Grupo Boticário, a Fundação é exemplo de como a companhia trabalha a sustentabilidade. "Desde a primeira farmácia, onde começamos a história do Grupo, eu questionava nosso propósito dentro do planeta. Neste sentido, criamos a Fundação Grupo Boticário, na década de 1990, antes mesmo da Rio Eco-92, para a restauração e preservação da Mata Atlântica. Esta é uma forma de como fazendo as coisas, pensando no futuro e na sustentabilidade", afirma.

Com 1.700 projetos e iniciativas apoiados e desenvolvidos em todo o país, a Fundação é responsável pela conservação direta de 11.000 hectares de Mata Atlântica e Cerrado em suas duas reservas particulares (Serra do Tombador - GO e Salto Morato - PR), pela descoberta de 178 espécies de animais e plantas e pelo apoio na criação de 606 unidades de conservação.

Hoje, a Fundação trabalha para que cidades e sociedade adotem a natureza como base de soluções para a adaptação aos desafios climáticos, especialmente com foco na segurança hídrica e na resiliência costeiro-marinha. Por meio dela há o movimento Viva Água, presente em duas bacias hidrográficas no Rio de Janeiro e no Paraná que impactam 11,5 milhões de pessoas, indústrias e pequenos agricultores. A iniciativa tem o objetivo de conectar pessoas e organizações em ações que favoreçam a segurança hídrica, adaptação às mudanças climáticas, negócios sustentáveis e maior qualidade de vida à população.

Rio Grande do Sul

O impacto das enchentes no Rio Grande do Sul e as questões de mudanças climáticas relacionadas não deixaram de ser abordadas no evento. "Desde os primeiros instantes das chuvas que estão devastando o Rio Grande do Sul, o Grupo Boticário tem se sensibilizado e se mobilizou rapidamente para apoiar e acolher as pessoas e seus familiares impactados pelas enchentes – colaboradores, franqueados, distribuidores, revendedores e parceiros – e a comunidade local", afirmou Artur Grynbaum, vice-presidente do Conselho do Grupo Boticário. Milhares de produtos de higiene pessoal também foram doados para a comunidade local em uma atuação conjunta com o Movimento União BR, que tem realizado um trabalho na destinação de recursos para a região.

O relatório completo pode ser acessado no site do Grupo.

Acompanhe tudo sobre:BoticárioESGSustentabilidadeDiversidadeBiodiversidadeVarejoCosméticosindustria-de-cosmeticosBeleza

Mais de ESG

Hospital Albert Einstein destina 67% dos resíduos para reciclagem - e gera renda com isso

CCR: empresa implementará planos de resiliência climática em todo o negócio até 2025

Companhia Brasileira de Alumínio avança no tratamento de sucata

Mais na Exame