Réveillon de 2021 tem ruas e praias vazias em todo o Brasil

Mesmo com as restrições, houve aglomerações em locais específicos, mas nada perto das festas em anos anteriores

As restrições pelo novo coronavírus mudaram a dinâmica da comemoração do Ano-Novo em várias cidades do país. O réveillon em meio à pandemia de covid-19 foi marcado por restrições, pouca gente na rua e menos queima de fogos.

Acessos a praias e espaços que antes ficavam lotados foram fechados, shows foram cancelados e as principais festas foram transmitidas apenas pela televisão. Mesmo com as restrições, houve aglomerações em locais específicos, mas nada perto das reuniões em anos anteriores.

Rio de Janeiro

Não houve a tradicional queima de fogos nem shows na praia de Copacabana. Devido a medidas restritivas da prefeitura, a orla foi ocupada apenas por pequenos grupos de familiares e amigos, movimentação bem diferente dos anos anteriores, quando lotava desde cedo. Pouco antes da meia-noite, moradores e pessoas hospedadas em Copacabana começaram a descer dos apartamentos e se encontrar na areia.

Os acessos à praia foram bloqueados às 20h da quinta-feira, 31, para evitar aglomerações, inclusive com redução da circulação de transporte público. A prefeitura restringiu o acesso à orla do Leme, na zona sul, ao Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste. A queima de fogos foi proibida, assim como a entrada de ônibus e vans.

São Paulo

A virada de ano na capital de São Paulo também foi de pouco movimento nas ruas. A Avenida Paulista, tradicional ponto de encontro no réveillon, ficou praticamente vazia. Além da festa cancelada, não teve nem mesmo a corrida de São Silvestre, pela manhã, pela primeira vez em quase 100 anos. Pequenos grupos de pessoas passaram pela Paulista para celebrar o Ano-Novo. A Polícia Militar reforçou a segurança para garantir que não haveria aglomeração.

Salvador

Em Salvador, também não houve festas públicas, mas a prefeitura organizou shows de fogos, que foram transmitidos pela internet. O principal foi na Praça Cairu, mas outros 20 locais também tiveram queima de fogos. Os lugares não foram divulgados para evitar aglomerações. O movimento nas praias foi baixo, com pequenos grupos de pessoas em alguns locais.

A prefeitura bloqueou o acesso à praia da Barra, onde as pessoas costumam se reunir no réveillon, e restringiu o comércio na orla. O acesso a todas as praias foi proibido nesta sexta-feira, 1º.

Brasília

Na capital do país, as festas tradicionais também foram deixadas para depois, para conter o avanço do novo coronavírus. O governo local cancelou as comemorações na Esplanada dos Ministérios e na Praça dos Orixás. Também não houve queima de fogos oficial na cidade. Moradores aproveitaram a decoração iluminada no Eixo Monumental, na Torre de TV e na Esplanada para celebrar a virada do ano. 

Recife

Na capital de Pernambuco, a movimentação também foi atípica, com praias vazias, sem shows e sem fogos. A praia de Boa Viagem, onde  ocorrem as comemorações mais tradicionais, ficou vazia. O governo do estado cancelou as festas de Natal e de Ano-Novo por causa da pandemia. Já a prefeitura proibiu comércio e colocação de cadeiras, mesas, caixas térmicas e som na faixa de areia e no calçadão.

Florianópolis

As festas públicas também foram canceladas na capital de Santa Catarina. Os fogos de artifício ficaram por conta dos moradores e turistas, sem shows pirotécnicos oficiais. As praias não tiveram muito movimento. Perto da cidade, em Balneário Camboriú, no litoral norte de Santa Catarina, tinha mais gente na rua. A faixa de areia ficou cheia em alguns momentos, durante a noite.

João Pessoa

Na capital da Paraíba, as restrições da prefeitura não tiveram o efeito esperado. Mesmo com a proibição, grupos de pessoas levaram tendas, mesas e cadeiras para a orla da praia, já que não houve fiscalização. O número de pessoas nas ruas, entretanto, foi bem menor do que nos anos anteriores. Apesar de alguns pontos de aglomeração, não houve festas públicas nem queima de fogos oficiais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.