Brasil

MP pede a prisão preventiva de João de Deus após denúncias de abuso sexual

A medida foi tomada cinco dias depois de virem à tona denúncias de abusos sexuais. O pedido ainda precisa ser aceito pela Justiça

João de Deus: mais de 200 mulheres procuraram o MP para denunciar abusos (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

João de Deus: mais de 200 mulheres procuraram o MP para denunciar abusos (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de dezembro de 2018 às 19h16.

Última atualização em 12 de dezembro de 2018 às 19h35.

Abadiânia - A Promotoria de Justiça de Goiás solicitou a prisão preventiva de João de Faria, conhecido como João de Deus. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do médium. A medida foi tomada cinco dias depois de virem à tona denúncias de abusos sexuais. O pedido ainda precisa ser aceito pela Justiça.

As vítimas seriam mulheres que teriam buscado tratamento espiritual com o médium. Até a terça-feira, 11, mais de 200 mulheres de mais de oito Estados haviam procurado o Ministério Público para denunciar abusos.

Na manhã desta quarta-feira, 12, o médium fez uma visita tumultuada no Centro Dom Inácio de Loyola.

Em um rápido pronunciamento, disse que era inocente e que estaria à disposição da Justiça. Foi a primeira aparição pública do médium depois que mulheres vieram a público acusá-lo de abuso sexual.

As denúncias afetaram o movimento da casa, onde atendimentos são realizados. Por volta das 8h30, cerca de 400 pessoas - incluindo crianças e duas pessoas de cadeiras de rodas - aguardam a chegada do líder espiritual.

Isso representa um terço do movimento habitual.

Acompanhe tudo sobre:abuso-sexualEscândalosEstuproGoiásJoão de DeusMachismoMulheresReligiãoTurismo

Mais de Brasil

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

'Fiquei surpreso de ver isso pela imprensa', diz Ricardo Nunes sobre queixas de Milton Leite

Você conhece o Hunsrik? Idioma germânico do Sul entra no Google Tradutor

Mais na Exame