Brasil

MP abre procedimento para analisar denúncia contra ministra do Turismo, Daniela Carneiro

Queixa-crime foi feita pelo deputado federal Deltan Dallagnol e baseada em reportagens sobre gráficas 'fantasmas' usadas durante a campanha

Na campanha para reeleição como deputada federal, Daniela Carneiro gastou R$ 1,092 milhão com duas gráficas (Ministério do Turismo/Divulgação)

Na campanha para reeleição como deputada federal, Daniela Carneiro gastou R$ 1,092 milhão com duas gráficas (Ministério do Turismo/Divulgação)

AO

Agência O Globo

Publicado em 7 de fevereiro de 2023 às 20h47.

O Ministério Público do Rio abriu procedimento preliminar para analisar notícia-crime feita pelo deputado federal Deltan Dallagnol (Podemos - PR) contra a ministra do Turismo, Daniela Carneiro (União). O ex-procurador da Lava-Jato se baseou em denúncias divulgadas pela imprensa sobre gastos com verbas do fundo eleitoral em duas gráficas que seriam “fantasmas”.

A ministra nega qualquer irregularidade. O diretório do União Brasil no Rio informou que vai acionar o Conselho de Ética da Câmara para pedir a cassação de Deltan Dallagnol por quebra de decoro por denunciação caluniosa contra a ministra.

Na campanha para reeleição como deputada federal, Daniela Carneiro gastou R$ 1,092 milhão com duas gráficas: a Rubra Editora e Gráfica, aberta em 2013, recebeu R$ 561,5 mil, enquanto a Printing Mídia, aberta em 2020, recolheu R$ 530,7 mil. Ambos figuram como os maiores gastos da campanha de Daniela.

Segundo reportagem do portal Metrópoles, as duas gráficas não funcionam nos endereços nos quais estão registradas. As duas gráficas têm como sócio-administrador Filipe de Souza Pegado, um ex-assessor da prefeitura de Belford Roxo, comandada pelo marido da ministra, Waguinho, conforme mostrou o GLOBO.

O GLOBO apurou que Pegado, nomeado como assessor especial do setor de contratos e convênios da secretaria municipal de Educação de Belford Roxo entre março e setembro de 2021, emplacou posteriormente a mulher, Andressa de Paula Farias Pegado, no mesmo cargo. Andressa, cuja nomeação foi publicada no Diário Oficial do município na mesma data em que o marido foi exonerado, permaneceu no cargo até março de 2022. O salário mensal do casal era de R$ 2 mil. Meses depois de o casal deixar a prefeitura, as gráficas foram contratadas pela campanha de Daniela.

Daniela defende que o material foi produzido e entregue pelas empresas, e retirado pela equipe de campanha. Segundo a ministra, uma das gráficas terceiriza parte da produção e haveria uma divergência cadastral junto à Receita Federal.

Acompanhe tudo sobre:Daniela do WaguinhoIrregularidadesMinistério Público

Mais de Brasil

Artefatos indígenas retidos na França retornam ao Brasil

Convenções começam neste sábado com oficialização de candidaturas de Boulos, Paes e Fuad

Convenção para oficializar chapa Boulos-Marta em SP terá Lula e 7 ministros do governo

Convenção do PRTB e disputas judiciais podem barrar Pablo Marçal na disputa em SP; entenda

Mais na Exame