A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Autoridades do Paraguai renunciam por Itaipu; Lucro do Itaú sobe 10%; Rebelião mata 57 no Pará;

Lucro do Itaú sobe 10%

O Itaú Unibanco teve alta de 10,2 por cento no lucro recorrente do segundo trimestre, a 7,034 bilhões de reais, apoiado em crescimento da carteira de crédito e ganhos com operações de tesouraria. O grupo financeiro também anunciou um programa de demissão voluntária envolvendo todas as suas companhias no Brasil, mas não informou o montante de adesões que pretende obter. O programa vai ficar aberto a interessados durante o mês de agosto. O conglomerado terminou junho com 98.446 funcionários, uma queda de cerca de 1,5 por cento sobre um ano antes. No Brasil, o número de trabalhadores do grupo era de 85.161 no final do segundo trimestre. O resultado recorrente do maior banco privado do Brasil ficou praticamente em linha com a média de expectativas de analistas, de 6,977 bilhões de reais, segundo dados da Refinitiv.

Pará: Rebelião deixa 57 mortos em presídio 

Uma rebelião no Centro de Recuperação Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, deixou ao menos 57 mortos na manhã desta segunda-feira, 29. De acordo com a Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará (Susipe), 16 detentos foram decapitados e os outros morreram asfixiados. Durante o motim, dois agentes prisionais foram feitos reféns e depois liberados. No início da tarde, o motim estava encerrado. A Susipe informou que a rebelião foi motivada por uma briga entre facções rivais e teve início por volta das 7h, quando detentos do bloco A, onde estão custodiados presos de uma organização criminosa, invadiram o anexo onde estão internos de outro grupo. O Grupo Tático Operacional da Polícia Militar foi ao local. A Polícia Civil, a Promotoria e o Juizado de Altamira também estiveram na unidade participando das negociações para a liberação dos reféns. Esse é o segundo maior massacre em presídios de 2019. Em maio, 55 presos foram mortos sob custódia do estado no Amazonas.

Governadores lançam consórcio Nordeste

Dez dias após o presidente Jair Bolsonaro ter azedando a relação com governadores do Nordeste ao insultá-los em um café da manhã com jornalistas, o que foi respondido com uma carta de repúdio assinada pelos líderes estaduais, nesta segunda-feira, 29, os nove estados que compõem a região formalizaram um pacto batizado de Consórcio Nordeste. A iniciativa, que já havia sido anunciada e estava sendo aprovada nas assembleias estaduais, visa uma maior cooperação política, econômica e social para alavancar o crescimento da região. Com o acordo, os governadores da região esperam realizar projetos conjuntos, atrair mais investimentos e criar fundos de financiamento e captação de recursos.

“Glenn cometeu um crime”, diz Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o jornalista Glenn Greenwald e disse que ele “cometeu um crime” no caso da divulgação de mensagens atribuídas ao ministro da Justiça, Sergio Moro, e outras autoridades. “No meu entender, ele Glenn cometeu um crime. Em qualquer outro país, ele estaria já em uma outra situação. Espero que a Polícia Federal chegue realmente, ligue os pontos todos”, disse Bolsonaro nesta segunda-feira, 29. Em depoimento, o hacker acusado de ter conseguido as conversas privadas de membros do governo, Walter Delgatti Neto, afirmou que repassou conversas da Lava Jato ao editor do The Intercept de forma não remunerada. O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, questiona essa versão. “Não pode se escudar ‘sou jornalista’. Jornalista tem que fazer seu trabalho. Preservar o sigilo da fonte, tudo bem. Agora, uma origem criminosa o cara vai preservar, o crime invadindo a República, desgastando o nome do Brasil lá fora”, disse Bolsonaro. O artigo 5º da Constituição Federal estabelece que “é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional”.

Crescimento da produção industrial cai para 0,50%

Os analistas que projetavam há quatro semanas um avanço de 0,71% para a produção industrial, agora esperam apenas 0,50% de incremento. A indústria é um importante motor para a engrenagem da atividade econômica brasileira, por isso, a sua desaceleração é preocupante e impacta diretamente o desempenho do PIB. Em relação ao desempenho da inflação, os analistas estão ligeiramente mais pessimistas. Nesta semana, passaram a projetar inflação de 3,80% no país para o final deste ano – na semana passada, a expectativa era de um IPCA em 3,78%. Neste ano, até junho, a alta média dos preços ao consumidor está acumulada em 2,23%. O centro da meta oficial do país é de 4,25% para 2019, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Banco do Brasil passará por reestruturação

O Banco do Brasil anunciou nesta segunda-feira, 29, um plano de reorganização institucional que envolve funções e agências. O impacto financeiro do programa será divulgado até o final de agosto e o banco afirma que o programa será implementado  ainda neste segundo semestre. O conselho de administração aprovou “revisão e redimensionamento da estrutura organizacional” tanto nos níveis estratégico, de direção geral, quanto “tático”, que são as superintendências, além das áreas de apoio regional e nas agências. Para acelerar a transformação digital, será criada a Unidade Inteligência Analítica, voltada a Inteligência Analítica e Inteligência Artificial. Também serão criadas 42 novas Agências Empresas até outubro, e transformadas 333 agências em Postos de Atendimento Avançado. 

Quatro autoridades do Paraguai renunciam por Itaipu

O chanceler do Paraguai, Luis Castiglioni, e outras três autoridades pediram demissão ao presidente Mario Abdo Benítez como meio de apaziguar a crise política decorrente do mais recente acordo com o Brasil sobre a energia gerada na hidrelétrica de Itaipu. O acerto foi considerado desvantajoso pela maioria do Congresso paraguaio, que aprovou a anulação de seus termos. Abdo ratificou a decisão. “O presidente aceitou a renúncia do chanceler Luis Castiglioni, do embaixador paraguaio no Brasil, Hugo Saguier Caballero, do presidente da Administração Nacional de Eletricidade (Ande), Alcides Jiménez, e do diretor paraguaio de Itaipú, Alberto Alderete”, anunciou nesta segunda-feira o porta-voz Hernán Hutteman. A renúncia ocorre “após a decisão do Poder Executivo de solicitar a anulação da ata bilateral assinada (com o Brasil) em maio, a respeito das condições de contratação de energia da hidrelétrica binacional de Itaipu”. O acordo volta a ser renegociado, no nível técnico, informa comunicado oficial da Presidência paraguaia. A oposição acusou o governo de ter negociado em segredo e de forma desvantajosa para o país.

Boris Johnson diz que UE deve renegociar Brexit

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediu, nesta segunda-feira, 29, para os líderes da União Europeia (UE) pararem de se recusar a renegociar o Brexit, enquanto a libra esterlina despencava devido à preocupação gerada por uma saída do bloco sem acordo. Johnson, que assumiu o cargo na semana passada, quer mudar os termos do acordo de divórcio alcançado por sua antecessora, Theresa May, mas insiste em que o Reino Unido deixará a UE em 31 de outubro com ou sem compromisso. A UE afirmou que não reabrirá as negociações. “O acordo de retirada está morto”, disse Johnson à imprensa em sua primeira visita à Escócia. “Estou confiante de que teremos um acordo, mas também é correto nos prepararmos para um não acordo”, acrescentou. O governo britânico ainda não anunciou nenhuma visita de Johnson às capitais da UE, e sua porta-voz afirmou que não viajaria até Bruxelas mudar de postura. “Claro que quer se reunir com os líderes da UE e negociar, mas não para sentarem e dizerem que a UE não pode reabrir o acordo de saída”, explicou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também