Brasil

Jornalistas estrangeiros estranham Bolsonaro não dar entrevista em Davos

Imprensa questiona se decisão do presidente tem relação com crise envolvendo seu filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro

Jair Bolsonaro: Presidente optou por não conceder entrevista coletiva em Davos, na Suíça (Ueslei Marcelino/Reuters)

Jair Bolsonaro: Presidente optou por não conceder entrevista coletiva em Davos, na Suíça (Ueslei Marcelino/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 21 de janeiro de 2019 às 17h52.

Última atualização em 21 de janeiro de 2019 às 19h02.

Davos - Jornalistas de vários países têm questionado a imprensa brasileira sobre o motivo pelo qual o presidente da República, Jair Bolsonaro, não dará a tradicional entrevista coletiva que costumam conceder chefes de Estado e de governo quando participam do Fórum Econômico Mundial. O presidente empossado em 1º de janeiro faz da participação no evento voltado para a elite financeira nos Alpes suíços sua primeira aparição internacional. Davos será, portanto, uma vitrine de Bolsonaro para o mundo.

Ao chegar a seu hotel no vilarejo conhecido por sua estação de esqui, ele evitou a imprensa, entrando pela garagem. Minutos depois, no entanto, desceu ao hall do hotel em que está hospedado e deu uma breve entrevista.

A curiosidade em torno do presidente brasileiro é grande, principalmente num contexto em que grandes lideranças mundiais não comparecerão ao evento, que reunirá 3 mil pessoas.

A programação oficial conta com um discurso do presidente na terça-feira, 22, às 15h30 (12h30 de Brasília), que é bastante aguardado por causa da expectativa de que ele dê algum detalhe sobre o que pretende fazer na reforma da Previdência Social. Na Suíça, ele é acompanhado de cinco ministros.

O grande ponto entre os profissionais da imprensa é se a decisão de Bolsonaro tem relação com a crise envolvendo o seu filho, o deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ).

O filho do presidente disse que não lhe foi concedida a oportunidade de esclarecer as movimentações atípicas às autoridades competentes antes que a investigação fosse aberta. Ele foi convidado a depor em 10 de janeiro, mas não compareceu justificando que queria ter primeiro acesso aos autos do processo.

Acompanhe tudo sobre:Flávio BolsonaroFórum Econômico MundialGoverno BolsonaroJair Bolsonaro

Mais de Brasil

Câmara aprova projeto que cria cadastro nacional de condenados por violência contra a mulher

Comissão da Câmara aprova projeto de lei para incluir animais domésticos no Censo Demográfico

MPF busca solução para liberar 400 estrangeiros retidos no aeroporto de Guarulhos

Lula avaliará situação de Juscelino após viagem, diz Jaques Wagner

Mais na Exame