Brasil

Grupos anti-Dilma voltam às ruas contra Renan e pela Lava Jato

Atos de hoje acontecem em mais de 200 cidades, segundo movimento Vem pra Rua

Protesto em Belo Horizonte: segundo a Polícia Militar, não houve incidentes na capital nem no interior (Vem Pra Rua Brasil/Facebook/Reprodução)

Protesto em Belo Horizonte: segundo a Polícia Militar, não houve incidentes na capital nem no interior (Vem Pra Rua Brasil/Facebook/Reprodução)

Talita Abrantes

Talita Abrantes

Publicado em 4 de dezembro de 2016 às 09h45.

Última atualização em 7 de dezembro de 2016 às 11h37.

São Paulo - Cinco dias depois que a Câmara dos Deputados aprovou medida que desfigura as 10 medidas contra a corrupção, os movimentos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff voltaram às ruas neste domingo em defesa do Judiciário e contra Renan Calheiros.

A pauta dos atos de hoje tem como mote a defesa da Operação Lava Jato e a independência do Judiciário que, segundo procuradores, estaria ameaçada pela emenda ao texto das 10 medidas que permite a penalização de juízes e membros do MPF. Os organizadores falam também em defesa da proposta que determina o fim do foro privilegiado para políticos.

Além disso, os grupos Vem pra Rua e Movimento Brasil Livre (MBL) pedem também que Renan Calheiros (PMDB-AL) deixe a presidência do Senado. O peemedebista se tornou nesta semana réu pela primeira vez em uma ação penal no STF.

ACOMPANHE O DIA DE PROTESTOS

18h24 - Termina aqui a cobertura de EXAME.com


17h30 - Planalto não vai se pronunciar, mas respira aliviado

O governo não fará um pronunciamento oficial neste domingo sobre os protestos, mas segundo EXAME.com apurou, Temer respira aliviado após constatar que as críticas ao seu governo ficaram em segundo plano. Mesmo assim, não poupará esforços para se blindar contra eventuais insatisfações populares com relação ao Congresso. Temor é de que onda de revolta se alastre e respingue na imagem do Planalto. A conferir.

Protesto na Paulista manda recado para Temer: "seu compromisso é com o Brasil ou com corruptos?"

Protesto na Paulista manda recado para Temer: "seu compromisso é com o Brasil ou com corruptos?" (Vem pra rua/Facebook/Divulgação)


16h55 - Artistas também aderem aos protestos de hoje

https://twitter.com/LuanaPiovaniLP/status/805457228744589312


16:04 - Protesto ocupa parte da avenida Paulista

Veja vídeos:


15:53 - No Rio, organizadores estimam 600 mil manifestantes

Entre os gritos de guerra dos manifestantes estavam “Fora Renan” e “Lula na cadeia”. Em meio à multidão, ambulantes vendiam bonecos infláveis de Moro vestido de super-herói e de Lula e da presidente deposta Dilma Rousseff trajando uniformes de presidiários. Leia mais

 Manifestantes protestam na praia de Copacabana, na manhã de hoje (4), a favor da Lava Jato e do juíz Sergio Moro. (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Manifestantes protestam na praia de Copacabana, na manhã de hoje (4), a favor da Lava Jato e do juíz Sergio Moro. (Tomaz Silva/Agência Brasil) (Tomaz Silva/Agência Brasil)


15:10 - Relator de projeto de abuso de autoridade diz que movimentos são manipuláveis

Roberto Requição, relator do projeto de abuso de poder no Senado, prometeu que, "com pitis ou sem pitis", vai apresentar projeto de lei sobre o assunto na terça. Veja tuítes:


14:57 - Na Avenida Paulista, fizeram um "muro da vergonha"

Imagem postada na página do Facebook do movimento Vem Pra Rua mostra banner com "muro da vergonha" na avenida Paulista. Na foto aparecem os senadores que votaram para que texto que desfigurou o pacote anticorrupção fosse votado em regime de urgência no Senado. 

https://exame.com/mundo/cuba-se-despede-de-fidel-e-inicia-nova-era/


14:35 - Renan Calheiros: manifestações são legítimas

Principal alvo dos protestos de hoje, Renan Calheiros afirma, em nota, que as manifestações devem ser respeitas e que o "Senado continua permeável e sensível às demandas sociais".

"Presidência do Senado Federal

O presidente do Senado, Renan Calheiros, entende que as manifestações são legítimas e, dentro da ordem, devem ser respeitadas. Assim como fez em 2013, quando votou as 40 propostas contra a corrupção em menos de 20 dias, entre elas a que agrava o crime de corrupção e o caracteriza como hediondo, o Senado continua permeável e sensível às demandas sociais.
Assessoria de Imprensa
Presidência do Senado Federal"


14:15 - Alvos do dia: Renan, Maia e ... Dias Toffoli

Até este momento, há registro de protestos em ao menso 10 estados pelo Brasil. Os presidente da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia e Renan Calheiros, são os principais alvos das manifestações. Mas, em Brasília, sobrou também para o ministro Dias Toffoli.

original_dias-toffoli-2.jpg

-

Ele pediu vista do processo que impediria que réus pudessem fazer parte da linha sucessória da presidência da República, o que interrompeu uma decisão que já possuía maioria no plenário da corte.

Caso o julgamento tivesse sido concluído, ao se tornar réu na semana passada, Renan teria automaticamente que deixar a presidência do Senado, terceiro posto na linha sucessória da presidência da República.


 

14:12 - "Tentaram passar os brasileiros para trás", diz líder do Vem pra Rua

Em vídeo ao vivo publicado na página do Vem pra Rua, Rogerio Chequer, líder do movimento mostra movimentação na Paulista. Ele afirma que, na última quarta-feira, o Congresso tentou, por duas vezes, passar os brasileiros para trás. "Você vai ficar sentado?", diz, convidando manifestantes para o evento, marcado para às 14h.


13:39 - Mulher de Moro convida seguidores para ato

A advogada Rosângela Moro, que administra a página "Eu MORO com ele", em homenagem ao juiz Sergio Moro, seu marido, usou a rede social para convidar manifestantes para o ato em apoio à Operação Lava Jato em Curitiba, a partir das 15h. Ele é alvo do apoio dos protestos de hoje. 


13:09 - Em Salvador, manifestantes se aglomeram no Farol da Barra

Ato em Salvador contra corrupção em 4 de dezembro

-


12:50 - Um minuto de silêncio pelas vítimas da Chape

Manifestantes em Recife (PE) fizeram um minuto de silêncio pelas vítimas da queda do voo que levava parte da delegação da Chapecoense e jornalistas para a Colômbia.


12:20 - Há protestos também no interior de São Paulo 

Estado concentra o maior número de cidades com atos neste domingo.


12:15 - Vídeo mostra concentração no Rio de Janeiro


11:30 - Entre 4 e 5 mil pessoas em Brasília, segundo a PM do DF

Ratos de papel em protesto em Brasília, dia 04/12/2016

Ratos de papel em protesto: "Porque é isso que eles são. Eles não nos representam", afirma uma das coordenadoras do protesto (Vem Pra Rua Brasil/Facebook/Reprodução)

Os manifestantes estão reunidos em frente ao Congresso Nacional. A estimativa da Polícia Militar do Distrito Federal é de que cerca de 5 mil pessoas estejam presentes no evento.

Segundo Estadão, a maioria das faixas pede a saída do presidente do Senado. Um carro de som puxa palavras de ordem afirmando que o movimento não é de direita contra a esquerda, mas da nação contra a corrupção.

“Vamos bater palmas para a Polícia Federal”, “Sérgio Moro é intocável” e “Lava Jato patrimônio nacional” são outras palavras de ordem. Eles também afirmam que o pacote anticorrupção será aprovado no Congresso e que a população está vigiando os deputados e senadores.


11:05- No Rio de Janeiro, a mobilização é em Copacabana



10:15 - Brasília é uma das primeiras cidades a receber o protesto


10:00 - Veja a lista de cidades que devem participar dos protestos de hoje

Segundo lista divulgada pelo movimento Vem pra Rua, protestos devem acontecer em mais de 200 cidades de todas as unidades da federação mais Distrito Federal. A expectativa é de que a maior mobilização aconteça na avenida Paulista, em São Paulo, a partir das 14h. 

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoOperação Lava JatoProtestos no Brasil

Mais de Brasil

Roberto Jefferson paga R$ 40 mil à PF por conserto de viatura que atingiu com 42 tiros

Brasil inclui luta contra racismo pela 1ª vez na agenda do G20

AliExpress e Shopee antecipam data de taxação de compras de até US$ 50; veja quando passa a valer

PM impõe 100 anos de sigilo a processos disciplinares de Mello, candidato a vice de Nunes em SP

Mais na Exame