Inquérito das fake news: Alexandre de Moraes dá 24h para redes bloquearem perfis do PCO

Canais são alvos do inquérito das fake news, que apura ofensas, ameaças e notícias falsas contra o Judiciário
Alexandre de Moraes: ministro do STF deu 24 horas para que redes bloqueiem canais do PCO, que produz fake news (Rosinei Coutinho/Agência Brasil)
Alexandre de Moraes: ministro do STF deu 24 horas para que redes bloqueiem canais do PCO, que produz fake news (Rosinei Coutinho/Agência Brasil)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 20/06/2022 às 18:25.

Última atualização em 21/06/2022 às 10:17.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu 24 horas para que Twitter, Instagram, Facebook, Telegram, Youtube e Tik Tok bloqueiem perfis e canais do Partido da Causa Operária (PCO), que é alvo do inquérito das fake news - apuração sobre ofensas, ameaças e notícias falsas contra o Judiciário.

Quer atingir a profissão mais valorizada na pandemia? Vire um "dev" com o curso de Data Science e Python da EXAME.

A decisão foi proferida após as plataformas entrarem com uma série de recursos contra a decisão dada pelo ministro no início do mês - na qual Alexandre disse ver indícios de que a estrutura do PCO tem sido usada "indevida e reiteradamente" para "impulsionar a propagação das declarações criminosas" e "ataques escancarados e reiterados às instituições democráticas".

"Considerando a gravidade das publicações divulgadas, que atingem a honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal e de seus Ministros, bem como do Tribunal Superior Eleitoral atribuindo e/ou insinuando a prática de atos ilícitos por membros da Suprema Corte e defendendo a dissolução do tribunal, é necessária a adoção de providências aptas a cessar a prática criminosa, além de esclarecer os fatos investigados", registrou um trecho da decisão dada no início de junho.

No novo despacho, o ministro do STF registrou que os recursos das empresas não tem efeito suspensivo - ou seja, não implicam na suspensão da decisão proferida, até que os pedidos sejam analisados - e assim apontou que 'não há qualquer justificativa para o parcial descumprimento' do despacho.

Em publicações nas redes sociais, o PCO defendeu a "dissolução do STF" e chamou Moraes de "skinhead de toga" com "sanha por ditadura" e "tucano fascista". Também acusou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de tentar fraudar as eleições para impedir uma eventual vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Quando o bloqueio das contas foi incialmente determinado, o o presidente do partido, Rui Costa Pimenta, classificou o bloqueio como "censura". "Segundo Alexandre de Moraes 'cometemos crimes'. Os crimes são declarações políticas. Hoje, no Brasil ter determinada opinião política é crime. Não é agora, sempre lutamos contra isso", escreveu nas redes sociais, à época.

(Estadão Conteúdo)