Deputado pede convocação imediata de Braga Netto à CCJ da Câmara

De acordo com o requerimento do deputado Fábio Trad (PSD-MS), assinado também pela deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), "o ministro Braga Netto e parcela das Forças Armadas chantageiam representantes eleitos"

O deputado Fábio Trad (PSD-MS), vice-líder do partido na Câmara, protocolou na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa nesta quinta-feira, 22, um requerimento para a convocação imediata do ministro da Defesa, Braga Netto, para que esclareça a "grave ameaça de golpe". Segundo Trad, "se confirmada a chantagem, urge a demissão imediata do ministro Braga Netto".

  • Entenda como as decisões da Câmara e do Senado afetam seus investimentos. Assine a EXAME.

Matéria desta quinta-feira (22), publicada pelo Estadão/Broadcast mostra que no dia 8 deste mês, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, por meio de um importante interlocutor político, haveria mandado um duro recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

"O general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022 se não houvesse voto impresso e auditável. Ao dar o aviso, o ministro estava acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica."

De acordo com o requerimento de Trad, assinado também pela deputada Fernanda Melchionna (PSOL-RS), "o ministro Braga Netto e parcela das Forças Armadas chantageiam representantes eleitos dos Poderes da República para que sejam atendidas suas demandas, aduzindo que, caso não seja aprovada a PEC 135/2019 do voto impresso, irão golpear a democracia brasileira".

Para Trad, as ações do ministro violam artigos da Lei de Segurança Nacional e da Constituição Federal, entre eles a ação de grupos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático, e a tentativa de impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados.

Segundo o parlamentar, a aprovação do requerimento e prestação de esclarecimentos seria uma oportunidade para o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), provar que não houve inação de sua parte diante do recado que recebeu. "É dever de ofício de Lira adotar providências político-institucionais em defesa dos postulados do estado democrático de direito. Não o fazendo, isto é extremamente preocupante. Porque ciente da intenção de um projeto ameaçador da democracia, e nada fazendo, evidentemente que isso sugere pensar que não agiu de acordo com a magnitude do cargo e seu dever legal."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também