A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Crivella defende pasta para pesca na Esplanada

Questionado sobre a possibilidade de sair do ministério, Crivella disse ainda que nunca tratou deste assunto com a presidente

Brasília - O ministro da Pesca, Marcelo Crivella, defendeu nesta segunda-feira a necessidade de uma pasta específica para o setor na Esplanada dos Ministérios e disse que, se deixar o cargo, voltaria imediatamente a ocupar uma vaga no Senado pelo Rio de Janeiro.

Questionado por jornalistas sobre a possibilidade de sair do ministério da presidente Dilma Rousseff, em uma eventual reforma para reduzir o número de pastas, Crivella disse ainda que nunca tratou deste assunto com a presidente.

"Deixar de ser ministro significa voltar a ocupar o honroso cargo de senador da República pelo qual merecidamente fui eleito pelo generoso e bravo povo do Estado do Rio de Janeiro. Voltarei ao Senado no dia seguinte", disse Crivella, eleito senador pelo PRB.

"Agora, a presidenta Dilma, em nenhum momento de todos esses momentos difíceis que temos passado em nosso governo deixou passar de que isso ocorreria", disse a jornalistas após encontro com Dilma no Palácio do Planalto.

A oposição e até mesmo aliados da presidente, como o PMDB, sugeriram a redução do número de ministérios após a onda de manifestações do mês passado no país que criticaram, entre outras coisas, a corrupção, os privilégios dos políticos e os gastos com a Copa do Mundo e a Olimpíada.

O governo tem atualmente 39 ministérios. Dilma herdou o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com 37 pastas, mas criou outras duas, a da Micro e Pequena Empresa e a de Aviação Civil.

Crivella defendeu a existência de um ministério específico para a pesca, argumentando que o Brasil tem um grande potencial inexplorado neste setor.

"Acho que o potencial do Brasil é tão grande para a produção de peixes, que independentemente de ser o Crivella ou qualquer outro, nós brasileiros não deveríamos abrir mão de ter um ministério exclusivamente para que o Brasil esteja à altura dos grandes recursos naturais que Deus lhe deu", disse.

"É o primeiro país em água doce do mundo e um dos menores em produção de pescado. E precisamos também atender a 1,7 milhão de pescadores cujas condições sociais não são das melhores", acrescentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também