Após CPI da covid, Bolsonaro diz que STF interfere em todos os poderes

O presidente também reclamou da decisão da corte de permitir que Estados e municípios proíbam a realização de cultos religiosos para evitar aglomerações

O presidente Jair Bolsonaro disse na noite de quinta-feira que o Supremo Tribunal Federal (STF) interfere em outros Poderes, após o ministro Luís Roberto Barroso determinar a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado para investigar a gestão da pandemia de covid-19 no Brasil.

A política vai seguir dando o tom na bolsa? Vai. E você pode aproveitar as oportunidades. Assine gratuitamente a EXAME Invest Pro

Em entrevista à CNN Brasil na noite de quinta, o presidente também reclamou da decisão da corte de permitir que Estados e municípios proíbam a realização de cultos religiosos para evitar aglomerações e tentar frear a disseminação do coronavírus.

"Não há duvida que há uma interferência do Supremo em todos os Poderes", disse o presidente à emissora, lembrando que existem no Senado pedidos de impeachment contra ministros da Suprema Corte.

Na noite de quinta, Barroso determinou a instalação pelo Senado da CPI da Covid, que terá como objetivo apurar supostas omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia, em decisão vista pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), como equivocada e que poderá atrapalhar os esforços de combate à doença.

Na liminar, o ministro destacou que a Constituição estabelece que as CPIs devem ser instaladas quando há assinatura de um terço dos integrantes da Casa, além de indicação de fato determinado a ser apurado.

Sobre a decisão do Supremo de, por 9 votos a 2, permitir que Estados e municípios proíbam a realização de cultos religiosos, Bolsonaro defendeu a abertura dos templos e, ao contrário do que afirmam especialistas, que apontam o risco de transmissão da Covid-19 em locais fechados, disse que o risco de transmissão nos templos é "quase zero".

Bolsonaro, que constantemente ataca governadores e prefeitos que adotam medidas restritivas na tentativa de frear a disseminação da Covid-19, defendeu na entrevista à emissora a necessidade de se evitar conflitos no combate à pandemia e fez a acusação, sem citar nomes, de que existem pessoas que atuam fora dos limites da Constituição.

"O Brasil está sofrendo demais e o que nós menos precisamos é de conflitos. Da minha parte, você sabe a minha posição. Respeito completamente a nossa Constituição. Não tem um pingo fora das quatro linhas da mesa", afirmou.

"Seria bom se todo mundo jogasse dentro das quatro linhas", acrescentou.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.