• AALR3 R$ 20,14 -0.79
  • AAPL34 R$ 67,40 0.06
  • ABCB4 R$ 16,75 0.60
  • ABEV3 R$ 13,94 -1.34
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,67 0.47
  • AGRO3 R$ 31,02 -0.29
  • ALPA4 R$ 20,17 -3.17
  • ALSO3 R$ 19,22 1.10
  • ALUP11 R$ 27,32 0.04
  • AMAR3 R$ 2,36 -1.67
  • AMBP3 R$ 29,72 -1.91
  • AMER3 R$ 21,92 -4.20
  • AMZO34 R$ 64,53 1.19
  • ANIM3 R$ 5,35 -0.19
  • ARZZ3 R$ 78,53 -1.59
  • ASAI3 R$ 15,56 -2.14
  • AZUL4 R$ 20,03 -3.19
  • B3SA3 R$ 11,73 -2.41
  • BBAS3 R$ 37,33 -1.24
  • AALR3 R$ 20,14 -0.79
  • AAPL34 R$ 67,40 0.06
  • ABCB4 R$ 16,75 0.60
  • ABEV3 R$ 13,94 -1.34
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,67 0.47
  • AGRO3 R$ 31,02 -0.29
  • ALPA4 R$ 20,17 -3.17
  • ALSO3 R$ 19,22 1.10
  • ALUP11 R$ 27,32 0.04
  • AMAR3 R$ 2,36 -1.67
  • AMBP3 R$ 29,72 -1.91
  • AMER3 R$ 21,92 -4.20
  • AMZO34 R$ 64,53 1.19
  • ANIM3 R$ 5,35 -0.19
  • ARZZ3 R$ 78,53 -1.59
  • ASAI3 R$ 15,56 -2.14
  • AZUL4 R$ 20,03 -3.19
  • B3SA3 R$ 11,73 -2.41
  • BBAS3 R$ 37,33 -1.24
Abra sua conta no BTG

BB prevê R$ 2 bilhões em pedidos de crédito durante a Agrishow

Na última edição presencial do evento, em 2019, o banco contabilizou R$ 1,2 bilhão em pedidos de crédito
Agrishow: maior feira de tecnologia agrícola do Brasil entrou ontem em seu segundo dia, em Ribeirão Preto (SP). (Divulgação/Agrishow)
Agrishow: maior feira de tecnologia agrícola do Brasil entrou ontem em seu segundo dia, em Ribeirão Preto (SP). (Divulgação/Agrishow)
Por Estadão ConteúdoPublicado em 27/04/2022 19:05 | Última atualização em 27/04/2022 19:05Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O vice-presidente de Agronegócios do Banco do Brasil, Renato Naegele, afirmou ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, que a expectativa é de receber pedidos de crédito de cerca de R$ 2 bilhões durante a Agrishow, maior feira de tecnologia agrícola do Brasil, que entrou ontem em seu segundo dia, em Ribeirão Preto (SP). Na última edição presencial do evento, em 2019, o banco contabilizou R$ 1,2 bilhão em pedidos de crédito.

De acordo com o executivo, apesar da alta dos custos de produção e da escalada da Selic nos últimos meses - hoje em 11,75% ao ano -, a demanda por crédito rural continua forte. Naegele lembra que o setor vem de cerca de quatro safras com altas margens de lucros. No ciclo 2021/22, apesar de os custos terem subido, a guerra na Ucrânia elevou os preços das commodities.

Em 23 de março, o Banco do Brasil começou a aceitar pedidos de crédito para a próxima safra, que começa em julho. Segundo o executivo, até o momento a procura pelos recursos ainda não está maior do que há um ano. No entanto, ele pondera que o ritmo normalmente começa a acelerar a partir de junho.

"Lançamos em março para o produtor ter mais uma opção de crédito até porque tem a suspensão das linhas com equalização", explica referindo-se ao congelamento nos bancos, desde o início de fevereiro, de novos pedidos para diversas linhas do Plano Safra, com taxas subsidiadas, por falta de recursos.

'Reserva'

No Banco do Brasil, cerca de R$ 3,5 bilhões estão congelados no momento, mas os recursos já estão comprometidos para os produtores, de acordo com Naegele. "Isso é dinheiro para médio e grande produtor, do Pronamp (programa focado nos médios) e para investimentos.

Deixamos os produtores apresentarem suas propostas, acolhemos, mas não estão aprovadas por uma questão de sistema. Só posso aprovar quando o Tesouro der autorização", disse.