Tecnologia

Vazamento de dados do Colégio Bandeirantes causa polêmica

"Tem olheiras, boca de ódio, tem cara de criança de filme de suspense", diz a ficha de um aluno do tradicional colégio Bandeirantes que vazou na internet


	Informações: alunos divulgaram na internet atas sigilosas de reuniões de professores com orientadores do colégio
 (aetb/Thinkstock)

Informações: alunos divulgaram na internet atas sigilosas de reuniões de professores com orientadores do colégio (aetb/Thinkstock)

DR

Da Redação

Publicado em 19 de março de 2015 às 11h19.

São Paulo -- Dados pessoais sigilosos de alunos do Colégio Bandeirantes, um dos mais tradicionais de São Paulo, foram divulgados em redes sociais na última semana, provocando polêmica entre estudantes e a direção da escola. A instituição fica na Vila Mariana, bairro da zona Sul de São Paulo.

De acordo com uma nota enviada a EXAME.com pelo Bandeirantes, um aluno do último ano do ensino médio obteve acesso irregular a atas de reuniões de professores com orientadores educacionais realizadas pela instituição entre 2007 e 2012.

O Bandeirantes diz que os dados estavam protegidos. Informações confidenciais sobre o desenvolvimento acadêmico e o perfil emocional de cada estudante estão entre os dados que vazaram.

O jornal Folha de S. Paulo relata que os documentos incluem observações incômodas sobre alguns alunos. Uma delas diz, por exemplo: "Tem olheiras, boca de ódio, tem cara de criança de filme de suspense."

Os registros estavam nos servidores do colégio, que também hospedam seu site aberto. Aparentemente, alguma falha de segurança permitiu o acesso.

Depois que a falha foi descoberta pelos alunos, um deles produziu um vídeo mostrando como chegar aos documentos. Esse aluno foi suspenso por oito dias pelo colégio. Muitos estudantes desaprovaram a atitude da escola.

"Assim que foi identificado o vazamento, o Colégio Bandeirantes iniciou as providências jurídicas cabíveis para suspender o compartilhamento dos vídeos e informações produzidas por esse aluno com base nos documentos, a fim de proteger os estudantes e suas famílias", afirmou o colégio em nota.

Além dessas medidas, o Bandeirantes informou que entrou em contato com as famílias dos alunos prejudicados pelo vazamento para prestar esclarecimentos.

Acompanhe tudo sobre:#failcidades-brasileirasEscolasHackersInternetMetrópoles globaisPrivacidadesao-paulo

Mais de Tecnologia

Meta supera expectativas no balanço, mas novos projetos deixam investidores apreensivos

União entre Republicanos e Democratas contra o TikTok mostra o quão difícil é banir um aplicativo

Google proíbe impulsionamento de conteúdo político para as eleições de 2024 no Brasil

Android é melhor que Apple? Para o consumidor chinês, sim

Mais na Exame