Tecnologia

Uber completa a aquisição da Postmates, rival do Eats nos EUA

Negócio foi anunciado em julho deste ano e envolvia o pagamento de 2,6 bilhões de dólares pelas ações da Postmates

Uber: empresa aumentou sua participação no mercado de entrega de refeições (loomberg / Colaborador/Getty Images)

Uber: empresa aumentou sua participação no mercado de entrega de refeições (loomberg / Colaborador/Getty Images)

RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 1 de dezembro de 2020 às 12h42.

Última atualização em 1 de dezembro de 2020 às 12h42.

A Uber anunciou nesta terça-feira (1) que concluiu a aquisição da empresa Postmates, empresa que atua no setor de entrega de refeições e era tida como uma das maiores rivais do Uber Eats. O negócio foi anunciado em julho deste ano e envolvia o pagamento de 2,6 bilhões de dólares pelas ações da concorrente.

Com fusão, as empresas criam a segunda maior plataforma de entregas dos EUA, atrás apenas da DoorDash. Mesmo assim, a Postmates vai continuar operando, ainda que inicialmente, como uma marca separada. É possível que os serviços se integrem de alguma forma com atualizações dos aplicativos, mas isso ainda não está claro.

Uber e Postmates iniciaram negociações há anos. Segundo a Bloomberg, as companhias mostraram interesse na fusão após a Uber não conseguir comprar a GrubHub, adquirida pela Just Eat Takeaway por 7,3 bilhões de dólares. A Postmates, que tem forte presença em Los Angeles e na região sudoeste dos EUA, surgiu como uma alternativa.

Uma pesquisa realizada em abril deste ano pela consultoria americana Edison Trends apontava que a DoorDash era responsável por 46,5% do mercado de delivery de refeições nos EUA. O Eats aparece em segundo lugar com 25,7%. GrubHub estava na terceira posição com uma fatia de 22,8%.

“A Postmates foi pioneira na entrega como serviço, o que complementa os crescentes esforços da Uber na entrega de mantimentos, itens essenciais e outros bens. Para restaurantes e comerciantes, Postmates e Uber Eats juntos oferecerão mais ferramentas e tecnologia para se conectar de maneira mais fácil e econômica a uma base maior de consumidores”, disse a empresa em comunicado na época.

A pandemia foi um fator determinante para o negócio. Com a quarentena, o faturamento da Uber sofreu uma queda considerável, principalmente em relação ao seu serviço de transporte de passageiros. Os resultados mais recentes, do terceiro trimestre deste ano, apontam queda de 18% na receita com 14,7 bilhões de dólares e prejuízo de 1,1 bilhão de dólares no período.

O Uber Eats, por sua vez, continua crescendo exponencialmente durante a crise de covid-19 que assola o planeta. O serviço de entrega de refeições registrou aumento de 125% em sua receita entre o terceiro trimestre de 2020 e o mesmo período do ano passado. A receita bruta ficou em 8,5 bilhões de dólares.

Acompanhe tudo sobre:Fusões e AquisiçõesStartupsUber

Mais de Tecnologia

NIO lança estação que realiza troca de bateria em apenas 3 minutos

Aeroportos registram queda no extravio de bagagens após implementação de novas tecnologias

Volta do presencial prejudica profissionais de tecnologia do Norte e Nordeste

IBM Consulting troca gerente geral para renovar foco em projetos de inteligência artificial

Mais na Exame