Tecnologia

Telegram deve passar de um bilhão de usuários neste ano, diz fundador

O Telegram é particularmente influente nas repúblicas da antiga União Soviética

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de abril de 2024 às 07h19.

O aplicativo de mensagens Telegram provavelmente ultrapassará um bilhão de usuários ativos mensais dentro de um ano, pois está se espalhando como um "incêndio florestal", disse seu fundador bilionário, Pavel Durov, na terça-feira. As informações são da Reuters.

O Telegram, com sede em Dubai, foi fundado por Durov, nascido na Rússia, que deixou o país em 2014 depois de se recusar a cumprir as exigências de fechar as comunidades de oposição em sua plataforma de mídia social VK, que ele vendeu.

"Provavelmente ultrapassaremos um bilhão de usuários ativos mensais dentro de um ano", disse Durov, que é proprietário integral do Telegram, ao jornalista americano Tucker Carlson, de acordo com entrevista em vídeo publicada na conta de Carlson na plataforma de mídia social X.

Durov, que a Forbes estima ter uma fortuna de US$ 15,5 bilhões, disse que alguns governos tentaram pressioná-lo, mas o aplicativo, que agora tem 900 milhões de usuários ativos, deve permanecer uma "plataforma neutra" e não um "participante da geopolítica".

Um dos principais rivais do Telegram, o WhatsApp, da Meta, tem mais de dois bilhões de usuários ativos mensais. O Financial Times informou em março que o Telegram provavelmente almejaria um IPO nos EUA assim que a empresa atingisse a lucratividade.

O Telegram, particularmente influente nas repúblicas da antiga União Soviética, é classificado como uma das principais plataformas de mídia social, depois do Facebook, YouTube, WhatsApp, Instagram, TikTok e Wechat.

Depois que a Rússia lançou sua invasão em grande escala da Ucrânia em 2022, o Telegram se tornou a principal fonte de conteúdo não filtrado - e às vezes gráfico e enganoso - de ambos os lados sobre a guerra e a política que envolve o conflito.

Acompanhe tudo sobre:Telegram

Mais de Tecnologia

Novo app permite instalar jogos retrô da Nintendo no iPhone; saiba como

Neuralink, de Elon Musk, fará teste de implante cerebral em novo voluntário

Contra Huawei, Apple corta preço de iPhone na China

TikTok passa a testar vídeos de 60 minutos e acirra disputa com YouTube

Mais na Exame