Tecnologia

Apple retira WhatsApp e Telegram do mercado da China

De acordo com a empresa, é preciso seguir as leis de cada país, mesmo que haja discordâncias

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 19 de abril de 2024 às 09h13.

Última atualização em 19 de abril de 2024 às 09h13.

A Apple removeu seus serviços de redes sociais, incluindo o WhatsApp e o Threads, da loja de aplicativos da China. A medida é uma resposta a ordens de Pequim para diminuir brechas no firewall da internet chinesa.

Segundo a Bloomberg, Telegram também foi removido da lista de apps que os chineses podem baixar. De acordo com a Apple, a Administração do Ciberespaço da China ordenou que os aplicativos fossem removidos em face a preocupações com a segurança nacional.

Em 2023, o governo chinês iniciou um programa para remover alguns apps das lojas do iOS e Android. Plataformas como o WhatsApp encontram cada vez mais dificuldade em se estabelecer no país, à medida que apps nacionais, a exemplo do WeChat, se fortalecem.

De acordo com o que declarou Rich Bishop, cofundador e CEO da empresa AppInChina, à Bloomberg, isso significa que consumidores chineses ficarão cada vez mais restritos a aplicativos nacionais. "É uma mudança grande -- que separará ainda mais os cidadãos chineses do resto do mundo, em certo sentido."

A Apple afirmou, em um anúncio, que os aplicativos continuarão disponíveis nos outros mercados. "Somos obrigados a seguir as leis nos países em que operamos, mesmo que discordemos", afirmou a empresa.

Acompanhe tudo sobre:ChinaWhatsAppAppleTelegram

Mais de Tecnologia

União Europeia prepara novas acusações antitruste contra Microsoft

Apple pode ter primeira greve de sua história com funcionários do varejo

Professores gerados por inteligência artificial dão aulas em universidade de Hong Kong

Executiva da Baidu faz publicação polêmica no TikTok e pede demissão logo depois

Mais na Exame