• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Startup abre plataforma de telemedicina para conectar médicos a pacientes

A brasileira Amplimed criou sua plataforma digital de telemedicina neste mês para agilizar atendimentos e evitar contágios do novo coronavírus em hospitais
Medicina: Conselho Federal liberou teleorientação em face da pandemia do coronavírus (Getty Images/seksan Mongkhonkhamsao)
Medicina: Conselho Federal liberou teleorientação em face da pandemia do coronavírus (Getty Images/seksan Mongkhonkhamsao)
Por Lucas AgrelaPublicado em 29/03/2020 05:55 | Última atualização em 02/04/2020 12:13Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Diante da pandemia do novo coronavírus, o Conselho Federal de Medicina liberou a telemedicina, em caráter de excepcionalidade. Com isso, empresas tradicionais passaram a usar mais os recursos de conectar pacientes a médicos via internet, como fizeram Prevent Senior e a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. Mas a pauta também abriu espaço para startups de saúde. Esse é o caso da brasileira Amplimed, da área de software de gestão corporativa para o setor de saúde, que agora passa a contar com uma plataforma digital para conectar médicos a pacientes.

O software médico da Amplimed começou a ser desenvolvido quando começou a quarentena na cidade de São Paulo, em 16 de março. O plano da startup era oferecer aos médicos que já eram seus clientes uma forma de ajudar atender remotamente aos pacientes.

Dado o contexto da pandemia do novo coronavírus, a startup decidiu deixar sua plataforma de teleorientação, telemonitoramento e prontuário eletrônico gratuitos por 30 dias para todos os profissionais de saúde, mesmo aqueles que não são clientes da Amplimed. Para isso, é preciso se cadastrar neste link

"Nossa preocupação é que o máximo de médicos consiga dar continuidade imediata às suas consultas, garantindo assistência a pacientes em isolamento e aos que estão em tratamento em casa", diz o Dr. Marcos Sonagli, diretor médico da Amplimed.

Fundada em 2015, a startup captou até hoje 500 mil reais de investimentos e atua com software de gestão corporativa e prontuário eletrônico para profissionais de saúde autônomos ou estabelecimentos com até 50 pessoas.

A telemedicina está em discussão há anos no Brasil. No ano passado, o Conselho Federal de Medicina chegou a liberar e revogar a pauta em um intervalo de 20 dias, dada a polêmica porque o texto exigia que a primeira consulta fosse presencial. Para Gustavo Kröger, diretor do Espaço Amae e médico voluntário do Hospital das Clínicas pelo disciplina de ginecologia, o Brasil só liberou agora a telemedicina porque ainda falta uma regulamentação definitiva sobre o tema.

“A telemedicina faz toda a diferença. Ela é importante para um retorno para mostrar exames, por exemplo. Ela não substitui a consulta tradicional, ela adiciona recursos. A telemedicina melhora o acesso e a eficiência do sistema de saúde”, diz Kröger.

Com a telemedicina liberada para teleorientação e telemonitoramento, ao menos por ora, os médicos podem usar a tecnologia a seu favor para o atendimento à distância. Fora isso, com menos pessoas nos hospitais, o risco de contágio pelo novo coronavírus também é reduzido. Falta agora uma regulamentação definitiva sobre a telemedicina no Brasil.

Exemplos não faltam no exterior. O Reino Unido é o maior expoente. O país aposta na telemedicina para melhorar a eficiência do serviço público. O Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês) prevê que os atendimentos digitais com clínicos-gerais poderão reduzir até um terço do número de visitas aos hospitais nos próximos cinco anos. No país, são feitos 400 milhões de consultas presenciais por ano. A medida ajudaria o serviço de saúde a economizar 1 bilhão de libras no período.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus