Tecnologia

Startup analisa seu DNA para prevenir doenças futuras

Relatório de análise genética mostra predisposições genéticas e sugere mudanças de estilo de vida

 (Getty Images/Reprodução)

(Getty Images/Reprodução)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 22 de dezembro de 2019 às 08h00.

Última atualização em 22 de dezembro de 2019 às 09h00.

São Paulo – Já pensou se você pudesse saber se você tem risco de desenvolver doenças e pudesse tomar medidas preventivas para evitá-las? Isso já possível graças à análise genética. Nos anos 1990, o governo dos Estados Unidos destinou 3 bilhões de dólares para financiar o Projeto Genoma, cujo objetivo era realizar o sequenciamento global do código genético humano. Atualmente, o setor emprega 230 mil pessoas e paga 6 bilhões de dólares em impostos anualmente.

Esse projeto foi o que viabilizou o surgimento de startups como a brasileira DNYou. Ela oferece uma análise dos seus genes para prever e prevenir problemas de saúde que você pode desenvolver no futuro.

Com base em amostra do seu DNA, como amostras coletadas na bochecha humana, a companhia gera relatórios sobre a sua saúde, informando, também, o que pode ser feito para melhorá-la. O serviço é oferecido tanto para pessoas físicas quanto para empresas, como academias, spas e centros de treinamento. Profissionais de saúde também podem usar o serviço no atendimento de seus pacientes.

A DNYou liberou neste mês os testes de DNA para pessoas físicas, que podem ser adquiridos no seu site oficial. A companhia tem operações na Europa, onde faturou, em 2019, mais de 25 milhões de euros.

No plano principal, de 2.200 reais, o relatório fornecido pela empresa traz informações como a predisposição genética para a composição corporal (massa muscular e gordura); um plano de nutrição adaptado à sua realidade genética; e um plano de ação comportamental para potencializar sua saúde e bem-estar.

A DNYou oferece outros exames mais específicos voltados a atletas, pessoas que desejam atingir objetivos específicos, como reduzir gordura corporal, ou para identificar problemas de saúde que causam morte-súbita em atletas, como é o caso da miocardiopatia hipertrófica.

Marcelo Callegari, fundador e presidente da DNYou, diz que há muito potencial para o mercado brasileiro. A expectativa para empresa por aqui é realizar 200 testes genéticos por mês em 2020.

Acompanhe tudo sobre:DNASaúdeStartups

Mais de Tecnologia

Internet em qualquer lugar? Starlink, de Elon Musk, lança antena do tamanho de um laptop

Você sabe o que é telemática? Tecnologia reduziu em 40% as taxas de colisões em estradas, diz estudo

Instagram está implementando 'live' apenas para melhores amigos

Vício em TikTok? O que é 'brainrot' e por que o termo está tão em alta

Mais na Exame