Tecnologia

Satya Nadella revela maior arrependimento como CEO da Microsoft

Em entrevista, executivo reflete sobre a decisão mais difícil que já tomou no cargo

Satya Nadella: CEO da Microsoft (Chona Kasinger/Getty Images)

Satya Nadella: CEO da Microsoft (Chona Kasinger/Getty Images)

Laura Pancini
Laura Pancini

Repórter de Tecnologia e Inteligência Artificial

Publicado em 25 de outubro de 2023 às 11h16.

Última atualização em 25 de outubro de 2023 às 11h17.

Para Satya Nadella, uma das decisões mais difíceis que ele já teve que tomar como CEO da Microsoft também é um de seus maiores arrependimentos. Em 2015, logo após substituir Steve Ballmer no cargo, o executivo anunciou a saída da gigante de tecnologia do mercado de dispositivos móveis.

A decisão foi tomada cerca de um ano após a Microsoft adquirir a Nokia por US$ 7,2 bilhões. Na época, a empresa tentava deslanchar o celular Microsoft Lumia, mas tinha dificuldade em crescer tendo competidores como Apple e Android.

Ao anunciar a mudança de prioridades dentro da Microsoft, Nadella também disse que reembolsaria a Nokia em US$ 7,6 bilhões e cortaria 7.8000 empregos envolvidos no projeto. Hoje, o CEO reflete e diz que a "saída" da Microsoft poderia ter sido melhor gerida.

"A decisão sobre a qual muitas pessoas falam – e uma das decisões mais difíceis que tomei quando me tornei CEO – foi a saída do telefone celular, conforme definido na época. Acho que poderia ter havido maneiras de fazer isso funcionar, talvez reinventando a categoria de computação entre PCs, tablets e telefones", disse o executivo em entrevista para o site Business Insider.

Eventualmente toda a linha do Windows Phone foi descontinuada. Hoje, a única empreitada da empresa no segmento de smartphones é os aparelhos Surface Duo com Android.

Acompanhe tudo sobre:MicrosoftSmartphones

Mais de Tecnologia

Alexa, da Amazon, pode subir preço em versão mais inteligente para competir com ChatGPT

CEO da Nvidia ganha US$ 7,6 bilhões em um só dia

Muito tempo no celular? Veja dicas para diminuir seu tempo de tela

Dez anos de Spotify no Brasil: o app que extinguiu a pirataria e virou sinônimo de música

Mais na Exame