• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

Novo cabo submarino de US$ 185 mi ligará Brasil a Portugal

A Telebrás pretende construir cabo submarino que ligará Brasil e Portugal, tudo sem depender de qualquer tecnologia dos EUA, segundo a Bloomberg

	Portugal: cabo terá mais de 5.600 quilômetros de extensão, saindo de Fortaleza e chegando a Lisboa
 (Thomas/Wikimedia Commons)
Portugal: cabo terá mais de 5.600 quilômetros de extensão, saindo de Fortaleza e chegando a Lisboa (Thomas/Wikimedia Commons)
Por Gustavo GusmãoPublicado em 31/10/2014 09:13 | Última atualização em 31/10/2014 09:13Tempo de Leitura: 11 min de leitura

Não são só o Google e a Algar que estão com um projeto de cabo submarino. De acordo com reportagem da Bloomberg, a Telebrás também tem seus planos.

A empresa de telecomunicações estatal pretende gastar 185 milhões de dólares na construção de uma estrutura que ligará Brasil e Portugal, tudo sem depender de qualquer tecnologia norte-americana – uma provável crítica à espionagem praticada pela Agência Nacional de Segurança dos EUA, a NSA.

De acordo com a reportagem, o projeto foi criado ainda em 2012, mas o escândalo iniciado pelo vazamento de documentos feito por Edward Snowden parece ter agilizado o processo de aprovação.

O cabo terá mais de 5.600 quilômetros de extensão e cruzará o Oceano Atlântico, saindo de Fortaleza e chegando a Lisboa, capital portuguesa.

A construção começará no meio de 2015 e deve terminar em 18 meses, e a estrutura servirá para fortalecer a comunicação entre o Brasil e a Europa – que hoje depende basicamente de linhas que passam por território norte-americano.

Planos ainda apontam para a construção de novos cabos para ligar o país diretamente à África e à Ásia, segundo declaração dada por Dilma Rousseff em coletiva de imprensa realizada no último dia 20 deste mês.

A empresa estatal brasileira afirmou à reportagem que só fará parcerias com marcas nacionais, europeias ou asiáticas para a construção, bem diferente do que acontece com o projeto que envolve Google e Algar Telecom.

Entre os nomes citados na matéria, estão a espanhola Islalink Submarine Cables e a fabricante de equipamentos de rede paulista Padtec, que pretende fazer uma oferta para operar o novo cabo submarino por inteiro.

Empresas norte-americanas nem foram consideradas para o projeto, segundo o texto – o que indica uma tendência. A Cisco, que poderia trabalhar na estrutura, é uma das que mais sofre com a desconfiança do mercado brasileiro, e viu inclusive de 13% nos pedidos vindos do Brasil.

E a tendência não se limita ao Brasil: Microsoft e Verizon, por exemplo, também ficaram sem alguns contratos por aqui e também na Alemanha, dois dos países cujos líderes nacionais tiveram comunicações monitoradas pela NSA.

“Até 2016, essas empresas norte-americanas podem deixar de ganhar até 35 bilhões de dólares graças a essas dúvidas relacionadas à segurança de seus sistemas”, segundo a matéria.