Facebook é acusado de limitar anúncios por cor, religião ou nacionalidade

Rede social discriminaria públicos em propagandas de moradia

São Paulo – O Facebook está sendo acusado pelo Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos Estados Unidos de limitar indevidamente anúncios imobiliários nos Estados Unidos. A entidade cobra da rede social que ela não impeça que determinados públicos vejam propagandas de imóveis, de modo a não mais violar leis de moradia justa. O caso foi reportado pelo jornal americano Wall Street Journal.

As acusações são de que o Facebook pode exibir anúncios separando públicos por raça, cor, religião ou nacionalidade.

“Usar um computador para limitar as escolhas de moradia de uma pessoa pode ser tão discriminatório quanto bater uma porta na cara de alguém”, diz, em nota, Ben Carson, secretário do departamento.

O Facebook ainda não se pronunciou oficialmente sobre o caso.

A história vem à tona na mesma semana em que a rede social passou a banir conteúdos de nacionalistas e separatistas brancos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.