Acompanhe:

Computadores superam precisão humana em previsões do PIB dos EUA

O último resultado do PIB americano foi observado de perto por softwares e economistas, mas a precisão veio somente das máquinas

Modo escuro

Continua após a publicidade
O produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 0,2% no segundo trimestre, entre abril e junho (Spencer Platt/Getty Images)

O produto interno bruto (PIB) dos Estados Unidos caiu 0,2% no segundo trimestre, entre abril e junho (Spencer Platt/Getty Images)

B
Bloomberg

Publicado em 1 de agosto de 2022 às, 10h32.

Última atualização em 1 de agosto de 2022 às, 10h39.

Precisa saber onde está o crescimento econômico dos EUA hoje e onde provavelmente estará no futuro? Talvez seja melhor analisar os modelos altamente automatizados de computadores no lugar de economistas, a julgar pelas estimativas do PIB do segundo trimestre frente os resultados vistos na semana passada.

A economia americana se contraiu pelo segundo trimestre consecutivo, com o PIB caindo a uma taxa anualizada de 0,9% em relação aos três primeiros meses de 2022, segundo cálculo preliminar do Departamento de Comércio. A estimativa mediana levantada pela Bloomberg foi de expansão de 0,4% e, das 74 projeções de economistas, 23 foram de queda.

As previsões dos modelos “nowcast”, no entanto, estavam mais próximas do resultado. O índice GDPNow do Federal Reserve de Atlanta, por exemplo, viu uma redução de 1,2%.

Outro modelo de computador semelhante teve um resultado direto: a previsão da S&P Global Market Intelligence, inicialmente concebida pela Monetary Policy Analytics co-fundada pelo ex-Fed Larry Meyer previu uma contração de 0,9% no segundo trimestre. Seus clientes incluem governos, bancos e o próprio Fed, que usa os dados para obter informações sobre o rumo da economia.

O último resultado do PIB foi observado de perto, já que dois trimestres consecutivos de retração são uma regra prática que muitos usam para indicador se uma economia está em recessão. A determinação oficial dos fins e inícios dos ciclos é feita por um grupo de acadêmicos do National Bureau of Economic Research.

O modelo nowcast ganha adeptos de maior peso à medida que sua precisão aumenta e as projeções que produzem se aproximam mais dos resultados conforme os dados se acumulam.

O modelo do S&P faz projeções que estão dentro da variação de 1,2 pp do PIB cerca de três meses antes do anúncio. A diferença veio diminuindo para cerca de meio ponto percentual mais perto da data de divulgação, disse Ben Herzon, diretor executivo da empresa.

Funcionamento do modelo

Usamos o “método do contador de feijão”, disse Herzon. “O que fazemos é olhar para os dados de origem da agência do governo e replicar sua metodologia.” O truque é estipular valores para o último mês de dados que ainda não foram divulgados publicamente, disse ele.

O modelo do GDPNow do Fed de Atlanta está disponível ao público e também imita os métodos usados pela agência dos EUA para estimar o crescimento real do PIB. Uma diferença fundamental é que não está sujeito a ajustes de julgamento.

“A margem de erro médio das previsões finais do GDPNow é de 0,84 ponto percentual”, segundo o Fed de Atlanta, que enfatiza que o resultado não é uma previsão oficial do banco, nem de seu presidente, do sistema do Fed ou do Fomc.

Últimas Notícias

Ver mais
Google terá novo centro de engenharia em São Paulo
Tecnologia

Google terá novo centro de engenharia em São Paulo

Há 11 horas

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre
Tecnologia

Google vai começar a produzir smartphone Pixel na Índia no próximo trimestre

Há 12 horas

Nvidia cresceu tanto que tornou-se quase 'invencível'
Tecnologia

Nvidia cresceu tanto que tornou-se quase 'invencível'

Há 12 horas

Sem aplicativos e guiado por IA: conheça o T Phone
Tecnologia

Sem aplicativos e guiado por IA: conheça o T Phone

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais