Tecnologia

Brasil tem mais celular do que pessoas, diz pesquisa da FGV

Para se ter uma noção da popularidade do dispositivo, para cada TV vendida no Brasil, são três celulares comercializados

No total, eram 258 milhões de smartphones em uso no Brasil em maio de 2024 (Getty Images /Getty Images)

No total, eram 258 milhões de smartphones em uso no Brasil em maio de 2024 (Getty Images /Getty Images)

Publicado em 28 de junho de 2024 às 11h14.

O Brasil tem em média 1,2 celular para cada habitante. Pelo menos é isso que aponta a 35ª Pesquisa Anual do FGVcia, que exibiu informações sobre o Mercado Brasileiro de TI e Uso nas Empresas. 

No total, eram 258 milhões de smartphones em uso no Brasil em maio de 2024. Quando adicionados outros dispositivos como tablets e notebooks, o número chega a 384 milhões de produtos — 1,8 por habitante

A FGV ainda apontou que, quando se acrescentam outros dispositivos digitais, o número sobe para 480 milhões, ou 2,25 por habitante.

Se ficarmos apenas no uso de computadores (incluindo desktops e tablets), temos 222 milhões de unidades, com uma proporção de um por pessoa.

Além disso, também foi mostrado que a venda de computadores no Brasil caiu 3% no ano passado em comparação com 2022, com 12 milhões de unidades comercializadas.

Isso pode indicar uma maior utilização de smartphones em vez dos computadores - por sua praticidade, mobilidade e ferramentas aprimoradas de produtividade. Para se ter uma noção da popularidade do celular, a cada TV vendida no Brasil, são três celulares comercializados.

Uma novidade da pesquisa para este ano tem relação com o uso de ferramentas de inteligência artificial. O ChatGPT apareceu como a mais popular delas, seguido pelo Gemini do Google e do Copilot, da Microsoft.

O relatório também apontou dados sobre a utilização corporativa de serviços de TI, cujo gasto anual por usuário chegou a R$ 56 mil. Os gastos e investimentos com TI seguem crescendo, e representam 9,4% do orçamento das empresas em média.

Acompanhe tudo sobre:SmartphonesInteligência artificial

Mais de Tecnologia

Apple Watch vai completar 10 anos: qual o futuro do dispostivo?

Microsoft obriga funcionários na China a usarem iPhones

De lavador de pratos a CEO bilionário: a jornada de Jensen Huang na Nvidia

Lançado há um ano, Threads ainda quer ser o novo Twitter

Mais na Exame