A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Agência alemã usou dados de monitoramento dos EUA

Citando fontes do governo dos EUA, o jornal Bild informou que a agência de inteligência alemã BND havia pedido à NSA registros dos cidadãos alemães sequestrados fora do país

Berlim - A agência de inteligência externa da Alemanha tem conhecimento sobre o monitoramento dos EUA e armazenamento de dados alemães durante anos e faz uso das informações em casos de sequestros de alemães no exterior, informou nesta segunda-feira o jornal grande circulação Bild.

Questionamentos sobre a possibilidade de o governo alemão e as suas agências de segurança saberem da vigilância EUA tocaram um em um ponto sensível na Alemanha, devido às memórias históricas de espionagem sobre cidadãos na época da ex-comunista Alemanha Oriental e do regime nazista.

O assunto tornou-se também um problema na campanha da chanceler Angela Merkel para a reeleição para um terceiro mandato e, embora favorita à vitória, ela está disposta a apagar qualquer impressão de que ela sabia mais do que deixava transparecer.

Citando fontes do governo dos EUA, o Bild informou que a agência de inteligência alemã BND havia pedido à Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) registros dos cidadãos alemães sequestrados no Iêmen ou no Afeganistão para ajudar a determinar a sua localização e contatos de e-mail e telefone.

A BND não estava imediatamente disponível para comentar o assunto.

No mês passado, os Estados Unidos confirmaram a existência de uma operação de espionagem eletrônica de codinome PRISM depois de o ex-espião de uma agência do país Edward Snowden ter revelado que tinha acesso a dados da Europa e outros usuários do Google, Facebook, Skype e outras empresas norte-americanas.

Em um vazamento separado, o governo dos EUA foi acusado de espionagem em escritórios e funcionários da UE e alemão.

Merkel, que disse ter ficado sabendo sobre o programa de vigilância da mídia dos EUA, prometeu no domingo buscar regras mais rígidas de proteção de dados da União Europeia e disse que espera que Washington respeite as leis alemãs no futuro. (Reportagem de Alexandra Hudson em Berlim e Claire Davenport em Bruxelas)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também