7 previsões da Intel para 2014 em Tecnologia

Avanços em dispositivos móveis, computação vestível, big data e até em mercados mais tradicionais, como o de PCs, estão entre as previsões da Intel para 2014

	Sede da Intel no Vale do Silício: a empresa vê algum alívio para os fabricantes de PCs em 2014
 (Wikicommons)
Sede da Intel no Vale do Silício: a empresa vê algum alívio para os fabricantes de PCs em 2014 (Wikicommons)
M
Maurício GregoPublicado em 29/12/2013 às 12:21.

São Paulo -- Depois da Ericsson e da IBM, a Intel também divulgou suas previsões para 2014. A empresa não cita números e se concentra nos mercados em que atua.

Fala de avanços em dispositivos móveis, computação vestível, big data e até em mercados mais tradicionais, como o de PCs. Confira as previsões mais importantes da empresa:

1 Tablets seguem em alta

Uma previsão meio óbvia para quem acompanha o mercado é que as vendas de tablets vão continuar crescendo fortemente em 2014. A Intel começou mal nesse mercado, dominado por processadores de arquitetura ARM produzidos por concorrentes dela.

Mas a empresa tem marcado alguns pontos ultimamente e deve avançar em 2014. A elogiada linha Dell Venue, que inclui tablets com Android e Windows 8.1, por exemplo, usa processadores Intel. Aliás, esses tablets da Dell devem chegar ao Brasil em 2014.

2 Computadores dois em um

A Intel também prevê um avanço dos tablets conversíveis, aqueles que podem ser transformados em notebooks com o acréscimo de um teclado.

Essa é uma categoria de produtos que cresceu bastante em 2013. Mas são aparelhos mais caros, mais pesados e mais grandalhões que os tablets simples. Por isso, seu volume de vendas é (e deve continuar sendo) muito menor.


3 Computação vestível

Na área de dispositivos vestíveis, a Intel vê as melhores perspectivas nas aplicações de saúde. “Dispositivos em vestimentas já podem informar o ritmo cardíaco”, afirma Fernando Martins, presidente da Intel Brasil, num comunicado da empresa.

“À medida que os serviços médicos chegam à Internet, nossos dispositivos poderão disparar um alerta para os serviços de emergência”, prossegue ele.

4 Big Data amadurece

Com o mundo se aproximando de 15 bilhões de dispositivos conectados, o volume de dados gerados por eles segue em crescimento ininterrupto. As aplicações baseadas em análise de big data, que ganharam destaque em 2013, devem amadurecer em 2014.

“A oportunidade está em fazer com que os dados realmente funcionem para criar valor para consumidores, empresas e governos”, diz a Intel.

5 PCs tudo em um

Apesar do avanço dos notebooks e, principalmente, dos tablets, a Intel continua acreditando nos PCs de mesa. Para a empresa, os desktops ainda serão um segmento importante do mercado em 2014.

Os modelos do tipo tudo em um, que têm toda a parte eletrônica embutida no monitor (como o iMac, da Apple), vão ganhar mais importância e passarão a ter funções de TV. A Intel diz que esse será o modelo padrão de desktop para a família.


6 Renovação nas empresas

A Intel prevê que, em 2014, haverá maior renovação do parque de PCs em corporações. Isso pode trazer algum alívio aos fabricantes de PCs, que viram esse mercado encolher cerca de 10% em 2013.

O principal motivo para essa expectativa é que a Microsoft vai encerrar o suporte ao Windows XP e ao Office 2003, ambos ainda em uso em empresas, residências, escolas e órgãos de governo.

Do dia 8 de abril em diante, não haverá mais atualizações de segurança e nem correções de falhas nesses dois produtos. A Intel diz que muitas companhias vão optar por trocar seus velhos PCs com XP por modelos mais novos, com Windows 8.1 e Office 2013.

7 Os chips encolhem mais

Na área de chips, a Intel afirma que vai continuar a miniaturização dos circuitos. Hoje, os chips avançados empregam microdispositivos de 22 nanômetros. Em 2014, o tamanho mínimo será 14 nanômetros; e, em 2015, 10 nanômetros.

Circuitos menores têm melhor relação entre poder de processamento e consumo de energia. Esses chips mais avançados vão permitir a construção de smartphones e tablets mais poderosos mantendo boa duração da carga da bateria.