Quem é a fintech brasileira que recebeu investimento do J.P. Morgan

Além do aporte, o FitBank poderá desenvolver e fornecer soluções de pagamento para os clientes do banco americano; valor investido não foi revelado

O banco americano J.P. Morgan concluiu no começo de julho um investimento na fintech brasileira de pagamentos FitBank. O aporte, negociado desde o último trimestre de 2019, é o primeiro do tipo feito pelo banco na América Latina. O valor investido não foi revelado, mas além da compra de uma participação acionária minoritária, a instituição financeira terá um assento no Conselho de Administração da startup. 

Fora o aporte de capital, a empresa fechou uma parceria estratégica para atender o J.P Morgan e os seus clientes corporativos. Com o apoio da instituição financeira, a startup planeja sua expansão internacional em 2021, que deve começar por outros países americanos — ainda não definidos. 

Mas quem é o FitBank? A empresa, criada em 2015 pelos sócios Otavio Farah, Mauricio Zaragoza e Rener Menezes, atua em um segmento não muito sexy, mas necessário para o mercado financeiro. A startup oferece uma plataforma de gestão de pagamentos que “dá poder de banco às empresas”. Em 2019 transacionou mais de 2 bilhões de reais.  

Pelo sistema da fintech, é possível gerir todas as transações financeiras de uma empresa, como boletos, TEDs, folha salarial, impostos, recebíveis. Entre os clientes, há desde condomínios, clínicas dentárias, empresas de contabilidade, a fintechs, adquirentes e empresas de inovação. Ao todo, a startup atende 18 setores da economia com seus serviços. 

Farah, fundador e presidente do FitBank, afirma que a companhia foi criada para oferecer uma experiência de pagamentos moderna. Segundo o empreendedor, a plataforma é customizável a ponto de se conectar com qualquer tipo de empresa, consegue aproveitar informações externas do negócio para enriquecer o serviço e é capaz de se integrar a tecnologias mais antigas.

“O sistema é inteligente, sabe o que acontece por trás de cada transação. A medida que determinado evento acontece, dispara um gatilho para outro pagamento”, diz o presidente.

Em 2017, após dois anos de operação, a companhia atraiu os primeiros investidores. Eduardo Glitz, Marcelo Maisonnave e Pedro Englert, depois de saírem da XP Investimentos, decidiram investir 2,7 milhões de reais na compra de 24,5% de capital na startup. 

Com o aporte, o FitBank desenvolveu sua solução de pagamento de contas e cartão pré-pago com integração ao sistema bancário nacional. Um ano depois, os sócios João Chacha e Alex Vollbrechthausen, vindos do Goldman Sachs, entraram no negócio e se juntaram ao Conselho de Administração. 

Mesmo com a pandemia, a startup segue crescendo. Junho foi o mês recorde em volume e número de transações. No começo da crise, a empresa conversou com os clientes mais afetados e ofereceu uma renegociação de contratos. Abril e maio foram meses de crescimento menor em relação aos 24 meses anteriores, em que a média era de 20% a 30% ao mês. Em junho, a situação foi normalizada. “Já estamos maiores do que estávamos antes”, diz o sócio João Chacha. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.