Com Pix, pequenas empresas organizam o caixa e atraem mais clientes

Com dinheiro transferido na hora, novo meio de pagamento ajuda empreendedores a organizar o caixa e amplia atendimento a clientes

"Posso fazer um Pix?” Desde meados de novembro, essa é uma pergunta que aos poucos está passando a fazer parte do cotidiano dos pequenos negócios no País. Com esse novo sistema de pagamento digital, o dinheiro passa da conta do comprador para o vendedor quase que instantaneamente, 24 horas por dia, sete dias por semana – em princípio, sem custo algum. De acordo com o Banco Central, responsável por criar o sistema, a chegada do Pix vai proporcionar inclusão financeira e, ainda, estimular a viabilidade de pequenos negócios.

No caso do empreendedor Thiago Leonardo de Almeida, dono da Mr BBQ House, uma boutique de carnes em Santo André, o primeiro impacto do uso do Pix foi facilitar o atendimento aos clientes. “Antes eu só podia oferecer pagamento no crédito ou transferência para quem não usa cartão. Agora, se o cliente me liga para fazer uma entrega às 16h de um sábado, eu ofereço o pagamento pelo Pix e fico mais tranquilo, o dinheiro aparece na minha conta na hora”, diz.

Na prática, o Pix é uma transferência de valores, e pode substituir o pagamento em dinheiro, o pagamento no débito, um DOC ou TED e o pagamento via boleto. O usuário cria uma chave junto à instituição financeira de preferência, utilizando seu CPF ou CNPJ, seu número de telefone ou mesmo um código aleatório, e pode receber o pagamento informando essa chave para o cliente. É possível ter mais de uma chave em instituições diferentes, e elas podem ser atreladas a uma conta física ou jurídica.

Na hora de pagar o produto ou o serviço, os pagamentos também podem ser feitos via QRCode, que podem ser estáticos (em que você precisa informar o valor da venda) ou dinâmicos (gerado a cada venda). No caso do QR Code estático, ele pode ser impresso e ficar “adesivado” na frente do caixa, por exemplo.

Só mesmo compras a crédito e parceladas ainda não são possíveis – o que não significa que não serão no futuro. Afinal, a estrutura do Pix, com menos intermediários entre comprador e vendedor, deve permitir uma série de novas soluções que nem mesmo o Banco Central é capaz de prever.

Por enquanto, Almeida diz que em sua casa de carnes ainda são poucos os clientes utilizando esse meio de pagamento, mas, até o momento, ele tem funcionado bem e ajudado a oferecer mais uma opção para o consumidor. “Se é muito trabalhoso comprar com você, a pessoa acaba desanimando. Com o Pix eu tenho menos incerteza no que posso oferecer. Minha única dúvida é se o sistema vai ser ágil em um horário de pico”, questiona.

De fato, a agilidade e a segurança são questões levantadas pelos empreendedores e consumidores. “Pelo menos no início, o Pix não apresentou instabilidade e foi um sucesso em termos operacionais”, diz o consultor do Sebrae-SP Inge Ommundsen Neto. Segundo ele, as questões de segurança são as mesmas de qualquer operação digital, embora com o Pix as chances de erro sejam até menores. “Só é preciso prestar atenção se você está enviando para a chave certa, pode acontecer de alguém substituir o QRCode e você mandar o dinheiro para outra pessoa”, alerta.

Para Ommundsen, o maior atrativo do Pix para os empreendedores é financeiro. A transferência instantânea não tem custos (pelo menos por enquanto), o que gera uma economia nas taxas das maquininhas de cartão e nos custos de TED e DOC. Quando – e se – as instituições financeiras passarem a cobrar uma taxa pelo uso do Pix em transações para contas jurídicas, a promessa é de que o custo vai ser baixo.

Mesmo assim, o consultor aponta que as vantagens operacionais podem ser ainda maiores para quem souber fazer um bom uso do sistema. “Para o comércio eletrônico que oferece o pagamento em boleto com desconto, o Pix é muito mais interessante. É comum emitir o boleto, separar o produto do estoque para esperar a confirmação e depois a compra não é concluída. O Pix é instantâneo, você não tem esse problema”, diz.

Ganho de tempo

Bruno Maurencio, dono de uma confeitaria em Araçatuba, passou a utilizar o Pix logo na época do lançamento. A primeira transação partiu do pedido de um fornecedor. “Em segundos o dinheiro já estava na conta dele, foi mais simples do que eu imaginava”, afirma.

Para o empreendedor, o Pix tem se mostrado uma ferramenta para ganhar tempo. Como na maior parte do expediente ele trabalha sozinho na sua empresa, a Caramello Dourado, numa rotina de fazer doces, atender clientes e cuidar do marketing digital, o pagamento instantâneo ajuda a cortar caminhos.

“Eu evito perder tempo com informações desnecessárias para o pagamento. Prefiro aproveitar os momentos com os clientes para conversar sobre os produtos, sobre os gostos deles”, diz.

O Pix também acaba sendo uma solução mais prática para organizar as contas. Se um cliente paga via boleto, por exemplo, o empreendedor precisa esperar até dois dias úteis para ver o dinheiro na conta, anotar na planilha e descontar o custo de emissão. “O Pix é muito rápido e eu não tenho risco de fazer confusão para fechar o caixa”, diz Maurencio. O sistema também é bastante indicado para quem, como ele, não tem loja física e só vende pela internet. “Muitos clientes também compram para dar de presente, então é mais uma praticidade para eles”, ressalta.

Na opinião de Ommundsen, do Sebrae, o uso do Pix é uma tendência crescente no mercado e as empresas devem se estruturar não só para oferecer essa possibilidade de pagamento, mas também para atrelá-la aos seus sistemas de gestão e de ponto de venda. Além disso, é hora de ficar atento às fintechs e às cooperativas de crédito, e o que elas podem oferecer de vantagem aos donos de pequenos negócios. “Vale procurar as instituições financeiras fora do tradicional, ver o que elas trazem de benefício. O importante é que os empresários estejam de mente aberta”, conclui.

Como começar a usar

Afinal, o que é Pix?
O Pix nada mais é que um sistema de pagamento digital criado pelo Banco Central. A novidade é que o dinheiro é movimentado na hora e o sistema está disponível 24 horas, sete dias por semana. Pode substituir o DOC, o TED, o pagamento em boleto ou o pagamento no débito.

Quanto custa para usar o Pix?
As transações realizadas por pessoas físicas não têm custo. Já para pessoas jurídicas, pode haver uma cobrança estabelecida por sua instituição financeira. Por enquanto, porém, a grande maioria das instituições não está cobrando nada.

Quem pode usar o Pix?
Qualquer pessoa física ou pessoa jurídica que tenha uma conta. Basta cadastrar uma “chave” na sua instituição financeira de preferência: essa chave pode ser seu CPF ou CNPJ, seu telefone celular, seu e-mail ou um número gerado aleatoriamente pelo sistema.

Onde eu posso fazer o Pix?
Em qualquer instituição financeira autorizada pelo Banco Central, como bancos, fintechs ou cooperativas de crédito. Logo no início das operações, em novembro, foram autorizadas 735 instituições, mas o número deve continuar a crescer.

O Pix é seguro?
A segurança do Pix é como a de qualquer meio de pagamento digital, com criptografia e dados protegidos pelo sigilo bancário. No entanto, o usuário precisa ficar atento a golpes e a erros, já que não é possível “desfazer” uma operação e um eventual reembolso dependeria de análise da instituição financeira.

Fontes: Banco Central e consultor do Sebrae-SP Inge Ommundsen Neto.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também