50 startups: Celcoin ajuda bancos e fintechs a navegar pelo open banking

A startup, fundada em 2016, movimenta 1,2 bilhão de reais por mês em sua plataforma para bancos e fintechs

Esta reportagem faz parte da série "50 startups que mudam o Brasil", publicada na EXAME. Conheça as demais empresas selecionadas

As startups provaram que é possível descentralizar o concentrado sistema bancário brasileiro. Unicórnios brasileiros como Nubank e Creditas, por exemplo, conquistaram clientes com atendimento melhor e explorando brechas de mercado. A tendência é que nos próximos anos surjam ainda mais startups como essas. Isso porque o Banco Central está modernizando o mercado, colocando no ar iniciativas como o Pix e o open banking. Ao facilitar as transferências financeiras e o compartilhamento de dados entre instituições diferentes, o BC incentiva que novas fintechs e empresas de fora do setor financeiro disputem espaço no mercado e atuem como “pequenos bancos” para seus clientes.

Mas para que isso aconteça é necessário que elas consigam acessar o sistema financeiro. O pulo do gato é que já tem um grupo de empresas preparadas para vender essa infraestrutura, em um modelo batizado pelo mercado de "bank as a service" (ou banco como serviço, em português). Uma dessas startups é a Celcoin, que captou um aporte de 23 milhões de reais em 2020, liderado pela Vox Capital, com participação do boostLAB, hub de negócios do BTG Pactual (do mesmo grupo controlador da EXAME), para reforçar seu sistema antes do lançamento do open banking.

A fintech, fundada em 2016 por Adriano Meirinho e Marcelo França, já trabalha oferecendo serviços financeiros para 130 companhias, entre elas grandes bancos e unicórnios do mercado. A empresa é dona de um conjunto de conexões com órgãos públicos, concessionárias de água e energia elétrica e operadoras de telefonia móvel. Com isso, ela permite que seus clientes corporativos ofereçam aos consumidores a possibilidade de pagar contas, por exemplo.

Para o open banking, a Celcoin desenvolveu um novo conjunto de integrações para permitir o compartilhamento fácil de extratos bancários, faturas de cartão de crédito, contratos de crédito, históricos de consumo e contas pagas. Na prática, quando um usuário liberar o acesso de uma empresa cliente da Celcoin a dados seus que estão em outro banco, essa coleta de informações será feita por meio do sistema da Celcoin.

“Percebemos a tendência de descentralização quando ainda nem havia o nome bank as a service. Em um ambiente cada vez mais competitivo, a combinação de timing, velocidade de execução e fatia de mercado ajudam a nos diferenciar”, diz o presidente e cofundador Marcelo França. 

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.