Será que vale a pena comprar um carro novo?

Entenda o que é melhor financeiramente – e veja como fazer o cálculo do financiamento para garantir que a parcela caiba no seu bolso
Carros novos: zero quilômetro perde cerca de 15% do valor assim que deixa a concessionária (Peter Dazeley/Getty Images)
Carros novos: zero quilômetro perde cerca de 15% do valor assim que deixa a concessionária (Peter Dazeley/Getty Images)
Por exame.solutionsPublicado em 18/05/2022 09:00 | Última atualização em 24/05/2022 17:12Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Como tudo na vida, cada decisão tem seus prós e contras, e nas finanças pessoais não é diferente. A escolha entre um carro novo ou seminovo tem pontos positivos e negativos em cada uma das decisões. 

Ao analisar somente o lado financeiro, é sabido que um carro novo, assim que sai da concessionária, perde cerca de 15% do seu valor. Daí em diante, seu preço diminui com o passar do tempo. É a chamada depreciação do bem. 

Partindo desse ponto de vista, carros usados podem oferecer mais vantagens para o comprador, pois apresentam uma desvalorização menor.

Carro novo, seminovo ou usado: o que sai mais barato?

Um dos pontos mais relevantes dessa análise, segundo a consultora e educadora financeira Carol Stange, é o valor do IPVA, que é calculado sobre o preço do carro que consta na tabela FIPE.

Um veículo seminovo, por ser mais barato que um novo, carrega um imposto de valor menor do que o dos carros zero quilômetro.

Mas a análise financeira, diz a especialista, deve levar em consideração também a eficiência no uso do combustível, um fator que pesa no bolso no dia a dia. “Carros seminovos naturalmente têm sua tecnologia ultrapassada (ou não tão moderna), além do próprio desgaste pelo tempo, pontos que costumam influenciar para um maior consumo de combustível”, afirma.

Outro ponto a ser considerado na conta é que carros novos têm seguros mais baratos em relação ao mais antigos, que podem sofrer maior dificuldade para que sejam encontradas peças novas para reposição, alerta Carol. Além disso, é preciso considerar também os gastos futuros com manutenção, como revisão, troca de pneus e gastos inesperados que qualquer veículo pode apresentar.

“Sugiro que o consumidor faça uma breve relação de todas as despesas que envolvem a compra de um carro novo versus um carro seminovo para que saiba quanto dinheiro essa decisão envolve”, ensina a consultora. “Sem números, a decisão fica na base do ‘achismo’, um dos maiores vilões das finanças pessoais”.

Ela lembra, no entanto, que definitivamente essa é uma decisão que não pode considerar apenas o lado financeiro. “Uma boa decisão nesse caso leva em conta a frequência de uso, conforto e segurança”, destaca. 

Comprar carro financiado ou à vista?

Matematicamente, explica Carol, é sempre melhor destinar o dinheiro que seria usado no pagamento de uma parcela para investir esse recurso com objetivo de receber juros. “Receber juros é sempre melhor que pagá-los, não é?”

Além disso, continua a educadora financeira, nada dá mais poder de compra para o consumidor do que ter o dinheiro para pagar a maior parte do produto à vista, já que essa liquidez também é desejada pelo vendedor.

Mas, na vida real, todos sabem que nem toda decisão pode esperar – tem gente que precisa do veículo para ontem, mesmo sem ter juntado o dinheiro para comprá-lo à vista.

“Para casos onde a compra de um carro, seja ele novo ou seminovo, se mostra urgente, pesquisas de mercado devem ser feitas”, sugere Carol. “As instituições financeiras oferecem diversas taxas de juros, desde o ‘sem juros’ até mais de 10% ao mês, que podem variar de acordo com o valor financiado até o score de crédito do cliente.

Ela alerta, no entanto, para o consumidor não se deixar levar por mensagens de "oportunidade imperdível", "última chance” e por aí vai. 

Quais são as taxas de juros de financiamento de veículo?

Outro ponto a se considerar, ressalta a consultora, é que as taxas de financiamento acompanham a taxa básica de juros, a chamada taxa Selic. 

E se ainda estamos no final do ciclo de alta da taxa Selic, isso significa que os financiamentos também estão encarecendo. “O momento não é o melhor para contratar novos financiamentos ou empréstimos”, alerta.

Como comprar um carro financiado?

Se a opção for pelo financiamento, vale saber que o limite máximo de comprometimento da renda para a liberação do financiamento pelas financeiras e bancos é de 30%.

Como exemplo, para alguém que ganha R$ 3 mil por mês, a prestação máxima a ser paga mensalmente seria de R$ 900. “Na vida real, não sugiro mais do que 15% para essa finalidade”, diz Carol.

“No último ano, o orçamento doméstico tem estado cada vez mais comprometido com os custos essenciais, como alimentação e despesas de consumo - gás, energia e água, por exemplo -, e a alta da inflação ainda não deu sinais de pausa. Se a compra de um carro financiado for passível de espera, essa seria a minha sugestão.”

Veja Também

Empreendedorismo infantil: o que é e como estimular?
Planejar
Há 23 horas • 6 min de leitura

Empreendedorismo infantil: o que é e como estimular?

Ainda vale a pena investir na poupança?
Planejar
Há 6 dias • 3 min de leitura

Ainda vale a pena investir na poupança?

O que dizem os gurus sobre o futuro dos criptoativos
Planejar
Há 3 semanas • 3 min de leitura

O que dizem os gurus sobre o futuro dos criptoativos

Criptomoedas: o que são e como começar a investir?
Planejar
Há 3 semanas • 4 min de leitura

Criptomoedas: o que são e como começar a investir?