• AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,42 2.46
  • ABCB4 R$ 16,81 0.72
  • ABEV3 R$ 14,02 0.00
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,05 1.01
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,44 2.26
  • ALUP11 R$ 27,29 1.83
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,14 3.63
  • AMER3 R$ 24,00 2.26
  • AMZO34 R$ 64,69 -2.93
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,65 -2.10
  • ASAI3 R$ 15,91 -0.31
  • AZUL4 R$ 21,65 2.61
  • B3SA3 R$ 12,11 0.58
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,42 2.46
  • ABCB4 R$ 16,81 0.72
  • ABEV3 R$ 14,02 0.00
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,05 1.01
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,44 2.26
  • ALUP11 R$ 27,29 1.83
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,14 3.63
  • AMER3 R$ 24,00 2.26
  • AMZO34 R$ 64,69 -2.93
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,65 -2.10
  • ASAI3 R$ 15,91 -0.31
  • AZUL4 R$ 21,65 2.61
  • B3SA3 R$ 12,11 0.58
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

Unilever deixa Londres antes do Brexit e sede será na Holanda

O governo britânico tenta convencer a empresa de permanecer no país, apesar das incertezas do Brexit
O Brexit não faz da Inglaterra um país ruim para investir. Essa decisão é para os próximos 30 a 50 anos e não depende da política de hoje, disse o diretor-executivo da Unilever (Reuters/Brendan McDermid)
O Brexit não faz da Inglaterra um país ruim para investir. Essa decisão é para os próximos 30 a 50 anos e não depende da política de hoje, disse o diretor-executivo da Unilever (Reuters/Brendan McDermid)
Por AFPPublicado em 15/03/2018 15:10 | Última atualização em 15/03/2018 15:10Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A multinacional anglo-holandesa de bens de consumo e alimentos Unilever anunciou nesta quinta-feira (15) a transferência de sua sede de Londres para Roterdã, uma decisão altamente simbólica antes do Brexit e um revés para o governo britânico.

A empresa, que fabrica de alimentos a cosméticos e tem marcas conhecidas como Dove e Omo, tem quase um século de presença jurídica no Reino Unido e na Holanda.

Mas, nesta quinta-feira, o grupo anunciou sua intenção de centralizar sua sede em Roterdã, onde pagará seus impostos. A decisão não tem grandes consequências em termos empregos, mas simbólicas.

A Unilever não menciona explicitamente a saída da Grã-Bretanha da União Europeia (UE), originalmente prevista para março de 2019, e garante que o objetivo é fortalecer e simplificar sua estrutura.

"O Brexit não faz da Inglaterra um país ruim para investir. Essa decisão é para os próximos 30 a 50 anos e não depende da política de hoje", disse o diretor-executivo da Unilever, Paul Polman, na emissora pública NOS.

No entanto, o anúncio é um revés para o governo conservador de Theresa May, que tenta convencer as empresas a permanecerem no país, apesar das incertezas do Brexit.

Segundo Lee Wild, analista da Interactive Investor, "tornar Roterdã a sede do grupo vem em uma hora ruim para Theresa May, que está em um momento-chave das negociações do Brexit".

O governo de Londres está tentando chegar a um acordo com a UE para um período de transição após o Brexit, enquanto deu início às negociações sobre a futura relação comercial entre os dois.

Continuar na UE

A partida da Unilever representa "um enorme golpe para o governo britânico e demonstra que o mundo dos negócios realmente pensa sobre a decisão do Reino Unido de deixar a UE", disse a organização britânica pró-europeia, Best for Britain.

Para alguns observadores, a decisão é uma consequência direta do Brexit.

"Acho que escolheram uma entidade [jurídica] holandesa porque é preferível continuar dentro da UE", opinou Jos Versteeg, analista de Amsterdã, do banco privado InsingerGilissen.

O governo de Londres garante que não existe essa relação.

"Como o grupo explicou, sua decisão de migrar um número limitado de postos de trabalho para sua sede da Holanda faz parte de uma reestruturação a longo prazo e não está relacionado com a saída do Reino Unido da UE", disse um porta-voz do governo.

O Executivo enfrenta "uma das últimas iniciativas empresariais que lanças dúvidas sobre o impacto do Brexit na economia", aponta Carmen Stoian, especialista em comércio internacional na Universidade de Kent.

Com a reestruturação, a Unilever terá a partir de agora três divisões: a de produtos domésticos e de beleza, ambas sediadas em Londres, e a de alimentos, com sede em Roterdã.

Os 7.300 funcionários no Reino Unido, bem como os 3.100 da Holanda, não serão afetados pela mudança.

A multinacional emprega 169 mil pessoas no mundo, e comercializa marcas como os caldos Knorr, o azeite de oliva Gallo e o desodorante Rexona.