Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Uma gigante cresce a reboque do Magazine Luiza e da Via Varejo

Empresa holandesa Adyen, especializada em processamento de pagamentos, cresceu graças a vendas online e por meio de apps

Modo escuro

Maquininha de pagamento da Adyen para a Amaro: crescimento das vendas na pandemia (Adyen/Divulgação)

Maquininha de pagamento da Adyen para a Amaro: crescimento das vendas na pandemia (Adyen/Divulgação)

N
Natália Flach

Publicado em 27 de agosto de 2020, 18h31.

Última atualização em 3 de setembro de 2020, 00h25.

A crise tem sido implacável com os pequenos negócios, mas também abriu oportunidades para grandes varejistas, como Magazine Luiza e Via Varejo, e empresas de delivery como iFood, que viram seu faturamento crescer mesmo em meio à pandemia. A reboque desse avanço está a Adyen, empresa de tecnologia responsável pelo processamento de pagamentos, que teve um acréscimo de 15% em sua receita líquida no primeiro semestre, para 25,9 milhões de euros, na operação da América Latina (que engloba o Brasil e o México). O segredo do resultado foi o foco em clientes de grande porte, que acabaram sendo menos impactados durante o ápice do isolamento social.

“As verticais de companhias aéreas e de varejo físico sofreram bastante, mas houve avanços no varejo online [como a Dafiti], serviços digitais e delivery de comida [iFood]”, afirma Jean Mies, presidente da Adyen para a América Latina, em entrevista exclusiva à EXAME.

Além dessas empresas, a companhia também atende a Uber, a 99 e a Arezzo no Brasil. “A pandemia também acelerou a transformação digital nas empresas e os investimentos no mundo online.”

Hoje, a região responde por 9% do faturamento do grupo como um todo, mas há planos de crescimento. Um dos vetores deve ser, daqui a três a cinco anos, aumentar o portfólio de clientes, entrando em companhias de médio porte.

“Vamos descer em direção à base da pirâmide, que é a extensão natural dos nossos esforços. Mas não vai ser algo imediatista. A companhia tem uma visão de longo prazo”, diz.

Outra fonte de crescimento é o possível — e esperado — aumento da penetração de meios eletrônicos de pagamento no Brasil. “Vemos demanda para pagamento mobile e temos tecnologias que oferecem mais segurança no processo”, acrescenta.

Mies espera que haja mais consolidação no mercado de meios de pagamento — como a joint venture que está sendo negociada entre Stone e Linx — e a entrada de participantes internacionais no Brasil.

“O mercado brasileiro está crescendo ainda e há muita demanda represada.” O executivo diz que aquisições não estão no radar. “Nosso diferencial é o fato de termos uma plataforma única que faz processamento no mundo inteiro. Não faria sentido querer incorporar outra plataforma.”

Últimas Notícias

ver mais
Maquininhas, tags de pedágio e IA: as apostas da dona do Ticket para o Brasil
seloNegócios

Maquininhas, tags de pedágio e IA: as apostas da dona do Ticket para o Brasil

Há 11 horas
Mais um Oxxo? Executivo promete mais de 210 lojas até o fim o ano
seloNegócios

Mais um Oxxo? Executivo promete mais de 210 lojas até o fim o ano

Há 14 horas
ESG e diversidade nas PMEs: por que importa e como implementar políticas de inclusão?
seloNegócios

ESG e diversidade nas PMEs: por que importa e como implementar políticas de inclusão?

Há 15 horas
O plano da Gramado Summit para ser maior evento de inovação do Brasil após edição histórica em 2023
seloNegócios

O plano da Gramado Summit para ser maior evento de inovação do Brasil após edição histórica em 2023

Há 17 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais