Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Tupperware dá adeus aos anos 50 e agora vende purificadores

A empresa de recipientes de plástico diversificou seus negócios e agora vende na China, por US$ 1 mil, purificadores com tecnologia da NASA e rocha vulcânica

Nova York - A Tupperware Brands Corp. é conhecida nos EUA acima de tudo por recipientes de plástico, mas um dos seus produtos mais vendidos na China é um purificador de água de US$ 1.000.

O sucesso do Nano Water Filtration System, que se prende às torneiras dos clientes, contribuiu para um salto de 20 por cento nas vendas da Tupperware na China no trimestre passado.

Os resultados totais da empresa, divulgados ontem de manhã, superaram as estimativas dos analistas e impulsionaram o maior rali intradiário das ações em quase quatro anos.

“Incrivelmente, este produto de US$ 1.000 é muito vendido no nosso negócio na China”, disse o presidente e CEO Rick Goings na teleconferência de lucros da empresa. “Quase um terço dos nossos negócios na China tem a ver com água”.

A penetração da Tupperware na China enfatiza as oportunidades para empresas americanas consolidadas em busca de novas formas de crescimento. O fenômeno também reflete o interesse dos consumidores chineses em purificar sua água e seu ar.

O purificador da Tupperware ostenta tecnologia desenvolvida pela NASA e sua rocha vulcânica rica em minerais vinda da prefeitura de Gifu, no Japão.

As ações da Tupperware subiram 12 por cento, para US$ 66,63, no encerramento em Nova York. As ações cresceram 5,8 por cento no que vai deste ano.

A Tupperware, famosa por organizar festas na década de 1950 onde donas de casa suburbanas demonstravam as virtudes dos recipientes de comida, tem evoluído nas últimas seis décadas. Em 2013, 91 por cento das suas vendas foram feitas fora do seu mercado local, segundo seu último relatório anual. A empresa também está crescendo nos mercados urbanos, particularmente entre os membros da Geração Y, que nunca têm tempo.

Desafios

A expansão mundial da Tupperware trouxe desafios, entre eles o efeito de um dólar valorizado. Mas a empresa vem tendo um desempenho superior ao de outras companhias americanas de venda direta com campanhas de expansão no exterior.

A Avon Products Inc., que opera em mercados similares, registrou dois anos de perdas anuais, ao passo que a Tupperware é lucrativa e projeta-se que aumente sua renda líquida em cerca de 20 por cento em 2015, segundo estimativas compiladas pela Bloomberg.

Como a Avon, a Tupperware procura clientes em países com menos opções varejistas, como o Brasil e a Rússia. Suas vendas ultrapassaram US$ 200 milhões no Brasil no ano passado depois de aumentar 43 por cento no quarto trimestre em moeda local. Na China, o país mais populoso do mundo, a receita superou US$ 100 milhões pela primeira vez, disse a Tupperware, com sede em Orlando, Flórida.

Para seduzir os consumidores asiáticos, a empresa oferece produtos como o distribuidor de arroz RiceSmart e o set de almoço da Hello Kitty. Na China, onde os apartamentos são pequenos, a empresa aproveita lojas nas vizinhanças e aulas de cozinha, disse Goings. O número de lojas cresceu 15 por cento em relação a um ano atrás, para 4.700, disse ele.

“Observamos um crescimento constante na China”, disse ele na teleconferência, “impulsionado pela combinação entre uma adição líquida nessas lojas e uma maior produtividade”.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também