Telefónica estuda fazer IPO de divisão argentina, dizem fontes

Uma venda de ações é uma das várias alternativas que estão sendo avaliadas e a Telefónica também poderia explorar acordos com outras operadoras

Londres/Madrid - A Telefónica, a maior operadora de telefonia da Espanha, está considerando listar sua unidade argentina, medida que a ajudaria a levantar recursos aproveitando o apetite dos investidores pelo mercado emergente, segundo pessoas com conhecimento do assunto.

A empresa está estudando internamente uma abertura de capital para uma participação na unidade, segundo as pessoas, que solicitaram anonimato porque as discussões não são públicas.

Uma venda de ações é uma das várias alternativas que estão sendo avaliadas e a Telefónica também poderia explorar acordos de compartilhamento de rede com outras operadoras, disse uma das pessoas. Nenhuma decisão definitiva foi tomada, disseram elas.

Uma porta-voz da Telefónica não quis comentar.

Um IPO local minimizaria as exigências de caixa na Espanha enquanto a Telefónica investe na Argentina mirando a promulgação de novas normas que permitirão que a empresa possa vender pacotes de linhas fixas e móveis.

A Telefónica, a segunda maior operadora de telefonia da Europa, tem 48,8 bilhões de euros (US$ 54,6 bilhões) em dívidas e tem trabalhado para reduzir seus níveis de alavancagem.

Os investidores compraram em massa ativos na segunda maior economia da América do Sul desde que o presidente Mauricio Macri assumiu.

O índice acionário de referência Merval subiu cerca de 61 por cento desde 10 de dezembro de 2015, data da posse do governo. Macri levou o país de volta aos mercados de capitais e tem feito enormes esforços para atrair investimentos estrangeiros.

No entanto, a Argentina -- que é o segundo maior mercado da Telefónica na América Latina depois do Brasil e representou 5,9 por cento das vendas mundiais no ano passado -- sofreu anos de escassez de investimentos nos 12 anos anteriores a Macri.

Os governos consecutivos de Néstor Kirchner e sua esposa, Cristina Fernández de Kirchner, congelaram as tarifas dos serviços de telefonia fixa, limitaram a capacidade das empresas de transferir dividendos para o exterior e restringiram as importações.

A Telefónica visa reforçar sua posição na Argentina para se preparar para uma nova estrutura legal que a partir do ano que vem permitirá que as telefônicas ofereçam pacotes de linhas fixas e móveis, internet e televisão, algo que as operadoras de TV a cabo já podem fazer.

As normas para os pacotes de serviços têm sido um ponto de conflito com o governo e a empresa espanhola alegou que o governo a impediu de concorrer com a operadora local de TV a cabo Grupo Clarín.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.