Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Suzano tem queda de 61% no lucro líquido do 4º tri; dentro do esperado

A companhia registrou um lucro líquido de R$ 1,175 bilhão nos últimos três meses de 2019 em comparação com o mesmo período de 2018

A Suzano divulgou nesta quarta-feira lucro líquido de quarto trimestre de 2019 dentro do esperado pelo mercado, uma queda de 61% sobre o mesmo período do ano anterior gerada por queda no preço da celulose.

A companhia, que também produz papel, teve lucro líquido de 1,175 bilhão de reais de outubro a dezembro, ante expectativa média de analistas compilada pela Refinitiv de 1,77 bilhão.

Já o resultado operacional da companhia medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, foi de 2,465 bilhões de reais, também próximo à média das previsões, de 2,439 bilhões.

Na comparação com o quarto trimestre de 2018, o Ebitda da Suzano mostrou queda de 31%. "A redução é explicada, principalmente pelo menor preço líquido da celulose em dólares (36%)", disse a Suzano no balanço.

Os preços da celulose despencaram no ano passado em meio ao excesso de estoques na cadeia mundial, que obrigou a Suzano a anunciar em novembro estratégia para vender ativos florestais e cortar investimentos. A companhia anunciou em dezembro plano de investimento de 4,4 bilhões de reais para este ano ante total revisado para baixo de 5,7 bilhões em 2019.

Na comparação com o terceiro trimestre, o Ebitda ajustado subiu 3%, por conta de maior volume de celulose vendido (15%) e alta do dólar, que compensaram redução no preço da celulose.

O custo caixa de produção de celulose da Suzano no quarto trimestre, excluindo efeito de parada de manutenção de fábrica, foi de 631 reais por tonelada, redução de 4% ante os três meses imediatamente anteriores e queda de 3% no comparativo anual. No ano, o custo subiu 7%, para 663 reais a tonelada.

A rival Klabin divulgou na semana passada custo caixa de produção de celulose de 687 reais por tonelada, queda de 2% sobre um ano antes. Na ocasião, a empresa afirmou que espera implementar reajuste menor que os 20 dólares por tonelada anunciados para da celulose vendida na China.

A Suzano deve comentar sobre a situação global de estoques e preços da celulose na quinta-feira, durante encontro com analistas e investidores em São Paulo.

A companhia encerrou 2019 com dívida líquida sobre Ebitda ajustado de 5 vezes em reais, alta ante nível de 4,7 vezes ao final de setembro. Em dólares, a alavancagem passou de 4,3 vezes para 4,9 vezes.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também