Negócios

Sete Brasil ganha sondas da Petrobras dando desconto

Além das 21 sondas da licitação anunciada na quinta-feira , a Sete Brasil já tinha encomendas fechadas para construir outros sete equipamentos de perfuração para a Petrobras

Plataforma petrolífera da Petrobras em alto mar (Divulgação)

Plataforma petrolífera da Petrobras em alto mar (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 14 de março de 2012 às 13h39.

São Paulo  - A Sete Brasil, empresa que recebeu na quinta-feira encomendas de afretamento de 21 sondas da Petrobras, avaliadas em cerca de 60 bilhões de dólares, ainda ofereceu um desconto à estatal para levar o pacote bilionário, disse um executivo da companhia nesta sexta-feira.

A empresa, constituída por fundos de pensão, bancos de investimento e com participação da própria Petrobras (10 por cento do capital), ganhou a licitação após ter oferecido um desconto de 8,5 por cento para a estatal, que fez um contrato de 15 anos com a Sete Brasil.

Além das 21 sondas da licitação anunciada na quinta-feira , a Sete Brasil já tinha encomendas fechadas para construir outros sete equipamentos de perfuração para a Petrobras. Ao todo, a empresa tem um portfólio de 30 sondas -duas planejadas para funcionarem como back-up, para o caso de haver atrasos na construção.

"Com esse contrato, a Sete Brasil se tornará a primeira colocada no mundo em contratos de afretamento, com 30 sondas de perfuração em seu portfólio. É a maior frota de sondas dessa categoria (de águas profundas) do mundo", disse a jornalistas o presidente da Sete Brasil, João Carlos Ferraz.

Em uma das maiores licitações realizadas no mundo, a Petrobras contratou na quinta-feira 26 sondas de perfuração, sendo 21 da Sete Brasil, por um valor da ordem de 76 bilhões de dólares, com o objetivo de impulsionar a exploração do petróleo no Brasil, especialmente as gigantes reservas do pré-sal.


O contrato de afretamento das 21 sondas da licitação anunciada na quinta-feira foi fechado por 530 mil dólares/dia, mas esse valor já com um desconto de 45 mil dólares/dia sobre o preço inicial, segundo Ferraz.

De acordo com o executivo, o preço fechado ficou em linha com o mercado internacional, apesar de críticos do uso de conteúdo nacional dizerem que é caro construir equipamentos de exploração de petróleo no Brasil.

A média de conteúdo nacional para a construção das 30 sondas será de 62 por cento.

Ao todo, a Sete Brasil deverá pagar pagar 27 bilhões de dólares para a construção das 30 sondas, ao passo que seus contratos com a Petrobras, para 28 equipamentos, somam aproximadamente 75 bilhões de dólares.

A primeira encomenda foi fechada em junho de 2011, um total de sete sondas para serem construídas pelo estaleiro Atlântico Sul.

Construção

A Sete Brasil deverá assinar na próxima semana os contratos com os estaleiros que deverão construir as sondas, segundo nota divulgada pela empresa antes de conferência de imprensa.

Com a OSX, do grupo do empresário Eike Batista, a Sete Brasil negocia a construção de duas sondas; com a Keppel Fels, seis sondas; com Rio Grande 2, três sondas; com Jurong Aracruz, seis sondas; e com Enseada do Paraguaçu, outros seis equipamentos.

Pelo modelo de negócios da Sete Brasil, a empresa contrata junto aos estaleiros a construção das sondas e se associa aos operadores, alugando o pacote completo às petrolíferas.

"Os estaleiros são nossos fornecedores, as sondas serão de propriedade da Sete em parceria com algum operador", explicou Ferraz.

Para operar as 21 sondas, a companhia deve se associar a Odebrecht, Queiroz Galvão, Sea Drill, Petroserv, Odfjell e Etesco.

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) deve financiar 50 por cento da construção das 30 sondas. Outros 6,5 bilhões de dólares virão de capital próprio dos sócios da empresa e outros 7 bilhões de dólares de bancos privados e de bancos de fomento da Noruega e Estados Unidos, segundo o executivo.

Aliás, os contratos fechados na quinta-feira preveem a possibilidade de redução de preços para a Petrobras, dependendo das condições de financiamento oferecidas pelo BNDES aos equipamentos de perfuração.

A expectativa da Petrobras é de que o contrato com a Sete Brasil possa ser reduzido para até 500 mil dólares/dia.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústriaIndústria do petróleoIndústrias em geralPetrobrasPetróleoQuímica e petroquímicaSete BrasilSiderurgia e metalurgia

Mais de Negócios

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Mais na Exame