Negócios

Qualcomm paga US$ 975 milhões e resolve disputa antitruste

A Qualcomm concordou em pagar à China multa de US$ 975 milhões, a maior na história corporativa do país, encerrando investigação sobre práticas anticompetitivas


	Qualcomm: acordo também exige que a Qualcomm reduza suas taxas de royalties sobre patentes usadas na China
 (GettyImages)

Qualcomm: acordo também exige que a Qualcomm reduza suas taxas de royalties sobre patentes usadas na China (GettyImages)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2015 às 20h33.

San Francisco/Pequim - A Qualcomm concordou em pagar à China uma multa de 975 milhões de dólares, a maior na história corporativa do país, encerrando uma investigação governamental de 14 meses sobre práticas anticompetitivas.

O acordo também exige que a Qualcomm reduza suas taxas de royalties sobre patentes usadas na China, disse a fabricante de chips norte-americana em comunicado.

A Qualcomm reduziu suas estimativas de lucro para o ano devido à multa, que deve custar 0,58 dólar por ação, mas elevou levemente o piso de sua projeção de receitas.

Investidores comemoraram o fim da investigação, elevando as ações da Qualcomm em 1,6 por cento, para 68,18 dólares no after-market.

"Remove uma significativa fonte de incerteza de nosso negócio e posiciona nosso grupo a realmente participar do crescimento do mercado de celular na China", disse o presidente-executivo da Qualcomm, Steve Mollenkopf, à Reuters em entrevista por e-mail.

Como resultado da multa, a Qualcomm disse esperar agora lucro entre 3,56 e 3,76 dólares por ação para o ano fiscal de 2015, comparado à sua previsão anterior de 4,04 a 4,34 dólares.

A empresa elevou sua previsão de receitas no ano fiscal de 2014 para de 26,3 bilhões a 28 bilhões de dólares, elevando levemente o piso de sua última projeção de 26 bilhões a 28 bilhões de dólares.

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaChinaChipsEmpresasEmpresas americanasQualcomm

Mais de Negócios

Vem aí a terceira edição do Ranking EXAME Negócios em Expansão

Nos 30 anos do Real, Mercado Pago lança cédula celebrativa

Nas franquias de educação, 83% dos alunos estão na sala de aula (e não em aulas online)

Eles começaram do zero, viraram referência em franquias e revelam segredos para sucesso nos negócios

Mais na Exame