Negócios

Perda de US$ 4 bi dos títulos da Petrobras é só o começo

O escândalo de corrupção já custou US$ 4 bilhões aos investidores, mas com a expectativa de baixas contábeis bilionárias, eles se preparam para mais


	Sede da Petrobras: Petrobras poderá realizar uma baixa contábil de até US$ 32 bilhões
 (Sergio Moraes/Reuters)

Sede da Petrobras: Petrobras poderá realizar uma baixa contábil de até US$ 32 bilhões (Sergio Moraes/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 9 de fevereiro de 2015 às 20h46.

São Paulo/Nova York - O escândalo de corrupção que assola a Petrobras já custou US$ 4 bilhões aos detentores de bonds.

Agora, com a expectativa de que a produtora de petróleo possa reportar bilhões de dólares em baixas contábeis, os investidores se preparam para mais prejuízos.

Os US$ 41 bilhões em dívidas denominadas em dólares da Petrobras perderam 10 por cento de seu valor desde 13 de novembro, um dia antes de a Polícia Federal dizer que havia encontrado “forte evidência” de que pelo menos sete construtoras tinham formado um cartel para ganhar contratos públicos, incluindo R$ 59 bilhões (US$ 21 bilhões) em pedidos da petrolífera controlada pelo Estado.

Os prejuízos dos bonds podem aumentar.

O motivo é que a Petrobras poderá realizar uma baixa contábil de até US$ 32 bilhões decorrente da maior investigação de corrupção da história do Brasil e perder seu grau de investimento, disse Wilbur Matthews, CEO da Vaquero Global Investment LP.

“Esta é uma empresa com problemas profundos. Deveremos ver mais perdas quando os números finais das baixas contábeis finalmente saírem”, disse Matthews, que gerencia mais de US$ 100 milhões em dívidas de mercados emergentes, de San Antonio, EUA.

“Seria um desastre ver a empresa cair para a categoria junk. E aparentemente isso não está longe de acontecer”.

As notas da empresa caíram na sexta-feira depois que a presidente Dilma Rousseff escolheu o executivo do também estatal Banco do Brasil SA, Aldemir Bendine, para a presidência da Petrobras.

Uma semana antes, a Moody’s Investors Service tinha reduzido o rating da Petrobras para a beira do grau especulativo e ameaçado outro rebaixamento dentro de um mês se a petroleira não esclarecesse seus lucros.

A assessoria de imprensa da Petrobras não respondeu a um telefonema e a um e-mail em busca de comentários a respeito do desempenho de seus bonds.

Bendine escolhido

O governo controla a Petrobras e o Banco do Brasil com a posse da maioria das ações com direito a voto. Bendine, 51, está prestes a assumir o lugar de Maria das Graças Foster, que anunciou sua renúncia no dia 4 de fevereiro depois de não conseguir intermediar um consenso em relação ao custo da investigação.

Foster disse em um documento de 27 de janeiro que a empresa descobriu que seus ativos estavam superestimados em até R$ 88,6 bilhões.

A nomeação de uma “pessoa do governo em vez de uma pessoa independente é negativa”, disse Peter Lannigan, estrategista de mercados emergentes da CRT Capital Group LLC em Stamford, Connecticut, EUA, por e-mail.

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasCorrupçãoEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEscândalosEstatais brasileirasExecutivos brasileirosFraudesGás e combustíveisGraça FosterIndústria do petróleoMulheres executivasOperação Lava JatoPetrobrasPetróleoPrejuízo

Mais de Negócios

Anderson Silva fará última luta em solo brasileiro neste sábado; veja como acompanhar

Já reiniciou? Após mais de R$ 22 mi, startup do 'modem inteligente' começa a operar fora do país

Franquia ou um negócio próprio: qual compensa mais? Especialista tem a resposta

Como uma startup organizou uma vaquinha de R$ 76 milhões para o Rio Grande do Sul

Mais na Exame