Negócios

Philips compra Wheb e amplia atuação na área de saúde

A aquisição não teve o valor divulgado é a quarta do grupo holandês no setor de saúde no mercado brasileiro

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h47.

São Paulo - A Philips do Brasil anunciou na tarde de ontem a compra da Wheb Sistemas, uma das empresas líderes em sistemas de gestão clínica no País. A aquisição, que não teve o valor divulgado, é a quarta do grupo holandês no setor de saúde no mercado brasileiro. "Com a Wheb, a Philips aumenta a integração de produtos e serviços e passa a oferecer mais soluções no segmento de saúde", diz o presidente da Philips do Brasil, Marcos Bicudo.

O setor é estratégico para a subsidiária brasileira. Na Philips mundial, cada uma das três áreas de negócios da companhia - consumo e estilo de vida (formado por eletrodomésticos e eletroeletrônicos), iluminação e cuidados com saúde - possui um peso semelhante no faturamento global. Mas, no Brasil, a divisão é desigual: só o setor de consumo e estilo de vida responde por mais de 60% da receita.

Com as aquisições, a empresa quer ampliar o portfólio do segmento de saúde e a fatia do setor no faturamento. "Há quatro anos, cuidados com saúde respondia por apenas 6% de tudo o que vendíamos. Hoje, depois de R$ 400 milhões de investimento na área, a saúde já responde por 25% da receita", diz Bicudo.

Fundada há 13 anos em Blumenau, a Wheb Sistemas tem cerca de 200 funcionários e desenvolve software de gestão integrado para prestadores de serviços em saúde - que vão de clínicas a operadoras de planos de saúde. Entre os clientes estão hospitais como o Sírio Libanês, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz e o Hospital Samaritano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

Leia mais notícias sobre saúde

Acompanhe as notícias de Negócios do site EXAME no Twitter

Acompanhe tudo sobre:EmpresasEmpresas holandesasempresas-de-tecnologiaFusões e AquisiçõesIndústria de eletrodomésticosIndústria eletroeletrônicaPhilipsSaúdeServiçosServiços de saúdeSetor de saúde

Mais de Negócios

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

OPINIÃO: Na lama da tragédia, qual política devemos construir?

Conheça a Rota das Artes, o novo roteiro turístico de Minas Gerais

Fabricio Bloisi deixa operação do iFood para assumir comando de grupo de investimentos Prosus

Mais na Exame