Negócios

Petrobras construirá porto no RJ para apoiar Comperj

Também está prevista a construção de uma rodovia de 20 quilômetros ligando a área até o Comperj

A primeira fase do Comperj prevê a construção de um módulo para a produção de 165 mil barris por dia de diesel até 2014 (.)

A primeira fase do Comperj prevê a construção de um módulo para a produção de 165 mil barris por dia de diesel até 2014 (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h47.

Rio - A Petrobras vai construir um porto em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, para servir de apoio ao Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). Segundo anunciou hoje o diretor de Abastecimento e Refino da estatal, Paulo Roberto Costa, o projeto está em andamento e aguarda apenas uma negociação entre a companhia e a prefeitura para ser colocado em prática.

O porto será erguido na praia das Pedrinhas, onde há uma área adequada, mas que necessita de dragagem de 8,5 metros. Também está prevista a construção de uma rodovia de 20 quilômetros ligando a área até o Comperj.

Segundo ele, 90% das obras de terraplenagem já foram concluídas no Comperj e a expectativa é de que em breve seja iniciada a fase de colocação de estacas. Ainda segundo o executivo, a Petrobras assinou na última sexta-feira contrato no valor de R$ 941 milhões com o consórcio Queiroz Galvão e Galvão Engenharia para o fornecimento dos equipamentos de hidrocraqueamento (HDT) do Comperj.

A primeira fase do Comperj prevê a construção de um módulo para a produção de 165 mil barris por dia de diesel até 2014. Em uma segunda fase, está prevista uma unidade para a produção de petroquímicos básicos, com início planejado para 2018.

Leia mais sobre Petrobras

Siga as últimas notícias de Negócios no Twitter
 

Acompanhe tudo sobre:Capitalização da PetrobrasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoInfraestruturaPetrobrasPetróleoPortosTransportes

Mais de Negócios

11 franquias baratas para trabalhar sem funcionários a partir de R$ 2.850

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

Mais na Exame