Ouro bate recordes, mas quem são seus compradores?

O preço de uma onça de ouro atingiu US$ 1.981,27 na manhã desta terça nas Bolsas asiáticas, superando o recorde de segunda-feira

O preço do ouro bate recordes e, nesta terça-feira, registrou um novo, alcançando US$ 1.981,27 a onça — equivalente a 28 gramas —, graças ao número de investidores que procuram títulos de refúgio. 

A demanda pelo mais famoso dos metais é diversa e responde a diferentes necessidades, do joalheiro até o banco central, passando pela indústria.

Estes são os principais componentes de sua demanda.

Os joalheiros

A joalheria, o primeiro componente da demanda, representou 48,4% de seu total em 2019.

Nesse setor, a China é o consumidor número um de ouro, seguido de perto pela Índia.

Esses dois gigantes asiáticos respondem por mais da metade da demanda do metal para joias.

A demanda indiana tem a particularidade de ser cíclica com a estação do casamento, que ocorre de abril a outubro. Entretanto, com a pandemia da COVID-19, a demanda dos joalheiros caiu cerca de 40% no primeiro trimestre, em comparação com o mesmo período de 2019.

Os investidores

Os investidores responderam por cerca de 30% da demanda de ouro em 2019 e estão divididos entre compras de peças e barras de ouro (dois terços) e fundos vinculados ao metal amarelo (um terço), chamados ETF.

Esses títulos financeiros cresceram no primeiro trimestre de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior, multiplicando por sete.

“A pandemia global de COVID-19 desencadeou a demanda por ouro como um valor de refúgio, compensando as fraquezas nos setores focados no consumidor”, afirmou o Conselho Mundial do Ouro no final de março.

O aumento foi tão significativo que a demanda da ETF quase correspondeu à demanda de joias.

Já a demanda por peças e lingotes mudou pouco.

Os bancos e as instituições centrais

A demanda de instituições, fundamentalmente dos bancos centrais, representou 14,9% da demanda total em 2019.

Nos últimos anos, as compras do banco central cresceram consideravelmente (+ 74% em 2018, estabilização em 2019).

Essa demanda excepcional reflete o desejo dos bancos centrais em certos lugares de se desconectar do dólar.

A crise da COVID-19 afetou esse setor de demanda menos que outros, com uma queda de 8% no primeiro trimestre.

A indústria

O ouro também é usado para fins industriais, especialmente em eletrônicos (80% da demanda industrial) e na indústria odontológica (pouco mais de 4% da demanda industrial).

No entanto, além de estar em declínio já há algum tempo, a demanda por ouro para fins industriais continua sendo uma minoria, com apenas 7,5% do total.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE