Oferta da Potash pela K+S é inadequada, dizem especialistas

O valor indicado, os benefícios com a união das duas companhias e os obstáculos regulatórios ao acordo são os pontos mais comentados no mercado

São Paulo - Um dia após a proposta da fabricante de fertilizantes canadense Potash Corp. para adquirir a alemã K+S, analistas do mercado tem visões distintas quanto à transação.

O valor indicado, os benefícios com a união das duas companhias e os obstáculos regulatórios ao acordo são os pontos mais comentados no mercado.

O preço indicado, de 40 euros por ação, é visto por alguns como demasiadamente baixo e não reflete os benefícios da Potash ao adquirir a K+S. O banco WGZ, por exemplo, alega que uma oferta no valor de 46 euros por ação da K+S seria mais apropriada.

O Société Générale, em contrapartida, avalia que a oferta é muito atrativa para a K+S. Entretanto, outro analista afirma que, apesar de o valor não ser ruim, um ponto crucial que ainda não foi divulgado é o porcentual que será pago em dinheiro e em ações.

Além de diversificar a área de atuação e a exposição a culturas da Potash, a aquisição da K+S iria fornecer uma fluxo de rendimentos e lucros mais flexível à Potash, avaliou a consultoria Bernstein.

Além disso, a K+S tem uma forte posição no mercado europeu de cloreto de potássio, e uma posição ainda mais ampla no segmento de sulfato de potássio.

Entretanto, para que qualquer acordo possa ser concluído, a Potash provavelmente terá de se comprometer com salários futuros e com o número de funcionários na Alemanha.

As sinergias devem ser limitadas, já que há pouca sobreposição de operações existentes, avalia o Bernstein, que estima uma probabilidade de 75% de conclusão do acordo, alegando que a K+S deve obter maior valor se for adquirida pela Potash.

Muitos analistas, entretanto, apontam que a transação pode enfrentar obstáculos regulatórios. O banco canadense TD lembra que a aquisição fará com que a empresa detenha 30% das negócios mundiais de potássio.

A K+S é a sexta maior produtora de potássio, representando 8% do mercado global, enquanto a Potash detém cerca de 17% das operações mundiais.

O Equinet Bank afirma que o padrão regional de vendas das duas companhias é complementar, o que poderia gerar um controle de mais de 50% nas regiões de origem das duas empresas - América do Norte e Europa.

As operações internacionais da Potash se concentram na Índia e China, enquanto a K+S é mais forte no Brasil.

Enquanto isso, o banco BMO avalia que é improvável que a Potash compre a K+S. Analistas do banco lembram que o órgão regulador de mercado da Alemanha impediu uma fusão similar entre as duas companhias em 1997.

O banco diz, ainda, que "não está convencido de que o acordo faz sentido, estrategicamente, para a Potash", uma vez que a K+S opera minas de potássio de alto custo e rendimentos pequenos.

No entanto, ao obter o controle da mina canadense da K+S, a Potash poderia ganhar novamente alguma influência na formação internacional de preços. Fonte: Dow Jones Newswires.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também