Lucro do JPMorgan salta no 1º tri e fica acima do esperado

O JPMorgan, amplamente visto como um barômetro da saúde da economia norte-americana em geral, também foi ajudado por comparações favoráveis com o ano passado

O JPMorgan Chase & Co, maior banco dos Estados Unidos, divulgou nesta quarta-feira forte aumento no lucro do primeiro trimestre, beneficiado pela atividade expressiva em suas mesas de operações e resultado da divisão de banco de investimento.

O JPMorgan, amplamente visto como um barômetro da saúde da economia norte-americana em geral, também foi ajudado por comparações favoráveis com o ano passado, quando a pandemia de Covid-19 forçou o banco a fazer a provisões contra o risco de uma onda de inadimplência de empréstimos.

O lucro líquido subiu para 14,3 bilhões de dólares, ou 4,50 dólares por ação, no trimestre encerrado em 31 de março, de 2,9 bilhões de dólares, ou 0,78 dólar por ação, um ano antes. Analistas, em média, esperavam lucro de 3,10 por ação, de acordo com a Refinitiv.

O CEO do JPMorgan, Jamie Dimon, deu o tom do que vem pela frente: disse ver condições para que a economia americana continue a crescer até 2023, em sua carta anual a investidores do banco, há uma semana.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.