Negócios

Lucro da Saudi Aramco supera expectativa no 1º trimestre

Os ganhos de empresas globais de energia como a Exxon Mobil aumentaram com a alta do petróleo, que avançou cerca de um terço neste ano

Saudi Aramco: Funcionário da Aramco caminha perto de um tanque de óleo na refinaria de petróleo Ras Tanura da Saudi Aramco e terminal de petróleo na Arábia Saudita (Ahmed Jadallah/Reuters)

Saudi Aramco: Funcionário da Aramco caminha perto de um tanque de óleo na refinaria de petróleo Ras Tanura da Saudi Aramco e terminal de petróleo na Arábia Saudita (Ahmed Jadallah/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 4 de maio de 2021 às 10h03.

A produtora estatal de petróleo Saudi Aramco superou as previsões dos analistas nesta terça-feira com um aumento de 30% no lucro líquido do primeiro trimestre e manteve o pagamento de dividendos, ajudada pelos preços mais fortes do petróleo.

Os ganhos de empresas globais de energia como a Exxon Mobil aumentaram com a alta do petróleo, que avançou cerca de um terço neste ano, à medida que a demanda por combustível se recupera da pandemia e o excedente global de petróleo diminui.

"Dados os sinais positivos para a demanda de energia em 2021, há mais razões para estar otimista de que dias melhores estão chegando", disse Amin Nasser, presidente-executivo da maior exportadora de petróleo do mundo, em um comunicado. "E embora alguns ventos contrários ainda permaneçam, estamos bem posicionados para atender às crescentes necessidades de energia do mundo à medida que as economias começam a se recuperar", disse ele. O lucro líquido aumentou para 21,7 bilhões de dólares no primeiro trimestre, versus 16,7 bilhões no mesmo período do ano anterior.

A previsão de lucro líquido era de 19,48 bilhões de dólares, de acordo com uma média de estimativas de cinco analistas. A Aramco, listada em 2019 com a venda de uma participação de 1,7% principalmente para o público saudita e instituições regionais, disse que os lucros foram impulsionados também por maiores margens de refino e produtos químicos, ajudando a compensar a queda na produção.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Acompanhe tudo sobre:Indústria do petróleoPetróleoSaudi Aramco

Mais de Negócios

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo no Rappi: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com app de entrega

Como linhas de crédito para COP vão ajudar Dona Lúcia, cozinheira que mudou o modo de comer no Pará

Justiça aceita pedido de recuperação judicial da Casa do Pão de Queijo

Mais na Exame